Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Domingo 30/08/2015


Domingo, 30 de agosto de 2015


"Nunca desvalorize pessoa alguma. Guarde cada pessoa perto do seu coração, porque um dia você pode acordar e perceber que perdeu um diamante enquanto estava muito ocupado colecionando pedras."



EVANGELHO DE HOJE
Mc 7,1-8.14-15.21-23

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!


Alguns fariseus e alguns mestres da Lei que tinham vindo de Jerusalém reuniram-se em volta de Jesus. Eles viram que alguns dos discípulos dele estavam comendo com mãos impuras, quer dizer, não tinham lavado as mãos como os fariseus mandavam o povo fazer.
(Os judeus, e especialmente os fariseus, seguem os ensinamentos que receberam dos antigos: eles só comem depois de lavar as mãos com bastante cuidado. E, antes de comer, lavam tudo o que vem do mercado. Seguem ainda muitos outros costumes, como a maneira certa de lavar copos, jarros, vasilhas de metal e camas.)
Os fariseus e os mestres da Lei perguntaram a Jesus:
- Por que é que os seus discípulos não obedecem aos ensinamentos dos antigos e comem sem lavar as mãos?
Jesus respondeu:
- Hipócritas! Como Isaías estava certo quando falou a respeito de vocês! Ele escreveu assim:
"Deus disse:
Este povo com a sua boca diz que me respeita, mas na verdade o seu coração está longe de mim. A adoração deste povo é inútil, pois eles ensinam leis humanas como se fossem mandamentos de Deus."
E continuou:
- Vocês abandonam o mandamento de Deus e obedecem a ensinamentos humanos.
Jesus chamou outra vez a multidão e disse:
- Escutem todos o que eu vou dizer e entendam! Tudo o que vem de fora e entra numa pessoa não faz com que ela fique impura, mas o que sai de dentro, isto é, do coração da pessoa, é que faz com que ela fique impura.
Porque é de dentro, do coração, que vêm os maus pensamentos, a imoralidade sexual, os roubos, os crimes de morte, os adultérios, a avareza, as maldades, as mentiras, as imoralidades, a inveja, a calúnia, o orgulho e o falar e agir sem pensar nas conseqüências. Tudo isso vem de dentro e faz com que as pessoas fiquem impuras.


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor








MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens.
Este Evangelho tem duas partes. Na primeira, Jesus denuncia o pecado de abandonar o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens. Na segunda, ele nos explica o que realmente torna uma pessoa impura.
A questão começa com uma pergunta dos escribas e fariseus, que vieram de Jerusalém especialmente para fiscalizar Jesus: “Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas comem o pão sem lavar as mãos?”
Para esclarecer, o evangelista apresenta um resumo das tradições dos fariseus e dos judeus em geral: lavar as mãos antes de comer, quando chega da rua, não comer sem tomar banho, a maneira certa de lavar copos, jarras, vasilhas...
Jesus é, como sempre, claro: “Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas: Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim”.
Em seguida ele fala: “Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens”. Está aí a denúncia a todos e todas que, em nossas paróquias, se apegam demais às tradições antigas. Essas pessoas acabam afastando os jovens, emperrando a caminhada da Comunidade, faltando com a caridade a unidade e descumprindo outros mandamentos de Deus.
Na segunda parte do Evangelho, Jesus fala, agora para todos e não só para os seus acusadores: “O que torna impuro o homem não é o que entra nele, mas o que sai do seu interior,do seu coração”. E ele cita treze tipos de pecados: más intenções, imoralidades, roubos...
Com isso Jesus retira completamente o valor de todas as purificações rituais judaicas, que ocupavam grande parte dos seus ritos cultuais. E ele completa: “De nada adianta o culto que vocês me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos”, deixando de lado os mandamentos de Deus.
Como que isso é atual! Cristãos que baseiam a sua fé em obras externas, sem nenhuma ligação com as suas atitudes e o seu coração. Essas pessoas se assemelham ao fariseu da parábola e do fariseu e do publicano, o qual disse para Deus: “Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros... Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de toda a minha renda” (Lc 18,11-12).
“Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim.” Trata-se do culto vazio, que faz tudo certinho externamente, mas sem ligação com a vida durante a semana, sem trazer para a vida aquilo que rezam e cantam. O culto vazio prefere o tradicionalismo do passado, rejeitando qualquer mudança.
“A religião pura e sem mancha diante de Deus Pai é esta: assistir os órfãos e as viúvas em suas tribulações e não se deixar contaminar pelo mundo” (2ª Leitura). “Deus é Espírito, e os que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade.” Quem faz isso não se contenta apenas com práticas externas.
O certo é que queremos servir a Deus, conservando a parcela maior da nossa vida para o nosso uso privado.
Os novos fariseus dizem: “Levo uma vida normal, tenho apenas pequenas falhas”. Ou: “Meus pecados são os comuns que todo mundo faz”. Ou: “Os meus pecados são os normais do dia a dia”. Será que existem pequenas falhas? Será que existem pecados normais?
Havia, certa vez, uma senhora que, quando ficou velha, quis preparar-se para o céu. Arrumou um cofrinho e começou a ir à Missa todos os dias. Cada vez, ao chegar em casa, pegava uma pedrinha e punha no cofrinho.
Anos depois, quando ela já estava de cama, desenganada, pediu para abrirem o cofrinho e contar quantas pedrinhas havia lá dentro. Quando abriram, havia uma pedrinha só! Claro, porque diante de Deus o que vale não são atos externos, mas atitudes. A prática religiosa ajuda a purificar e a converter o coração, mas não o faz por artes mágicas. Não vale honrar a Deus apenas com os lábios.
Sem dúvida, as Missas a ajudaram a se aproximar de Deus. Mas a salvação nós não a compramos, ela é dom gratuito de Deus. Se as nossas boas obras, sozinhas, nos salvassem, a salvação seria obra nossa e não presente gratuito de Deus.
Maria, a filha de Deus Pai, esposa de Deus Espírito Santo e Mãe de Deus Filho, não se apegava a tradições, mas sim diretamente a Deus e à sua Palavra.
Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens.






VÍDEO DA SEMANA

"O sofrimento não é maldição e sim redenção". Pe Reginaldo Manzotti





https://www.youtube.com/watch?v=29jUEpUtnYU






MOMENTO DE REFLEXÃO


Há mulheres que dedicam suas vidas inteiramente aos filhos, esquecendo-se completamente de si.
 Quando os filhos tornam-se adultos, elas cobram dos filhos o desamparo que elas sentem.
Este tipo de mãe é aquele que tem uma quantidade de amor para dar. É como se tivesse uma bacia d’água, e com o passar dos anos fosse pegando a água com a caneca e dando aos seus filhos.
No final da vida a bacia está seca.
Esta mãe torna-se triste, vazia, sentindo-se abandonada e sem rumo, e começa a cobrar dos filhos o “amor” que ela lhes deu, exigindo que eles encham a bacia d’água novamente, pois foram eles que a secaram.
O amor não é limitado, o amor é fonte.
O melhor seria que, ao invés de pegar a água da bacia, ela fosse buscar esta água de uma enorme cachoeira que jorra dela mesma.
Este é o amor real, ilimitado e sem cobranças. Ela sente-se viva e feliz de ver seus filhos crescidos e prontos para o mundo, sentindo-se ainda amparada pela mesma fonte que a nutriu.
A criança sempre retribui, na hora, o amor que lhe é dado, pelo sorriso, pela expressão de felicidade  e confiança. Ela não fica em débito.
O adulto é que, às vezes, na sua visão mercantilista, vê no filho um investimento futuro, esperando devolução com juros. 

Texto extraído do Livro: Liberdade de Ser

Autora: Eliane de Araujoh

Diário de Sábado 29/08/2015


Sábado, 29 de agosto de 2015


"A espécie de felicidade de que preciso não é tanto a de fazer o que eu quero, mas a de não fazer o que eu não quero." (Jean-Jacques Rousseau)



EVANGELHO DE HOJE
Mc 6,17-29

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!


De fato, Herodes tinha mandado prender João e acorrentá-lo na prisão, por causa de Herodíades, mulher de seu irmão Filipe, com a qual ele se tinha casado. Pois João vivia dizendo a Herodes: “Não te é permitido ter a mulher do teu irmão”. Por isso, Herodíades lhe tinha ódio e queria matá-lo, mas não conseguia, pois Herodes temia João, sabendo que era um homem justo e santo, e até lhe dava proteção. Ele gostava muito de ouvi-lo, mas ficava desconcertado. Finalmente, chegou o dia oportuno. Por ocasião de seu aniversário, Herodes ofereceu uma festa para os proeminentes da corte, os chefes militares e os grandes da Galileia. A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e a seus convidados. O rei, então, disse à moça: “Pede-me o que quiseres, e eu te darei”. E fez até um juramento: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”. Ela saiu e perguntou à mãe: “Que devo pedir?” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. Voltando depressa para junto do rei, a moça pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”. O rei ficou muito triste, mas, por causa do juramento e dos convidados, não quis faltar com a palavra. Imediatamente, mandou um carrasco cortar e trazer a cabeça de João. O carrasco foi e, lá na prisão, cortou-lhe a cabeça, trouxe-a num prato e deu à moça. E ela a entregou à sua mãe. Quando os discípulos de João ficaram sabendo, vieram e pegaram o corpo dele e o puseram numa sepultura.


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor








MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade


Bom dia!
Sim, João Batista morreu por denunciar a verdade. Apresentava a todos que deveriam mudar ou pelo menos refletir profundamente seu comportamento. Poderosos o temiam, os simples o admiravam. Era um homem santo e muito focado na sua missão. Hoje, recordamos o seu martírio!
Recentemente vi uma matéria enfocando o decréscimo do catolicismo no Brasil e diferentemente do que se esperava, não foi o crescimento evangélico que era evidenciado, a pesquisa aborda o crescimento contínuo daqueles que não tem religião. Por que?
Vivemos num tempo em que as pessoas querem respostas rápidas para suas perguntas. Colocam no Twitter uma pergunta e rapidamente um dos seus “seguidores” lhe oferecerá uma possível resposta. Muitos querem que suas preces assim também sejam atendidas, rápidas. “(…) Pede-me o que quiseres, e eu te darei”
Nem sempre as respostas que queremos ouvir são as que Deus nos sugere. É duro ter que admitir que boa parte das burradas que cometemos foram motivadas por essa surdez de consciência.
É difícil competir com uma mídia que prega 24h por dia o consumismo. “Compre agora”, “sem juros, 60 meses”, a roupa que fulana usa
na novela, os beijos e abraços liberados nos reality shows; brothers e sisters, “fazendeiros”, (…) na verdade quem tem ido pra “roça” são os nossos valores.
É uma mídia sem valores, não falo aqui de cristãos ou não, somos bombardeados para abandonar o que é moral. Canais de televisão que denunciam as mazelas sociais são os mesmos que ap
oiam a eleição de deputados e senadores que defenderam seus interesses quanto às fatias de concessão de recursos federais para comunicação.
João Batista foi morto porque um homem se encantou com um rebolado. Quantas pessoas hoje morrem de fome, tem uma educação medíocre, uma saúde pública vergonhosa, pois os seus governantes tomam decisões mediantes os rebolados dos seus interesses? Notem uma coisa no evangelho de hoje “(…) Herodes ofereceu uma festa para os proeminentes da corte, os chefes militares e os grandes da Galiléia”. Ele não estava só, por
que tantas pessoas influentes que ali estavam não levantaram a voz para defender o inocente?
Ter ou não ter essa ou aquela religião não é o problema. Tão pouco a quantidade de católicos não quer dizer que temos qualidade neles. A minha maior preocupação esta no fato dos valores de amor ao próximo aos poucos virar uma relação comercial em que uma amizade será consolidada na medida em que posso ter algo em troca do outro, que Deus possa falar o que quero e não o que deveria ouvir (hunf).
Que adianta a paz se pago a milícia do morro, que adianta se dizer religioso se me importo apenas comigo, que adianta dizer ter uma religião se a que eu procura é a que mais me convém? Sim! Justifica-se então o fato de muitos preferirem não ter religião, pois serei adepto do deus que me conceder mais coisas e não me cobrar uma mudança de vida. (hunf)
João Batista perderia ainda hoje a cabeça, mas eu ainda tenho fé nas pessoas.
Um Imenso abraço fraterno!







CASA, LAR E FAMÍLIA

Direitos do Consumidor


Quem já não teve que "engolir sapo" ou "pagar um mico" ao ir a um cinema, show ou restaurante, devido a problemas como a falta de informação ou uma má prestação de serviço?

Para encarar essas paradas, só mesmo conhecendo nossos direitos de consumidores; reclamando, se for o caso, a cada "pisada de bola" do fornecedor e fazendo valer esses direitos quando desrespeitados.

É por isso que a Fundação Procon/SP, em parceria com o Conselho Estadual da Juventude e com a Assessoria de Defesa da Cidadania, elaborou as orientações abaixo onde você vai encontrar dicas importantes sobre a defesa dos seus direitos de consumidor no lazer e divertimento, além de onde recorrer no caso de problemas.

Leia-o! E... divirta-se!

DIREITOS DO CONSUMIDOR

Lei 8.078/90 - Código de Defesa do Consumidor

Artigo 6º - São direitos básicos do consumidor:

I – a proteção à vida, saúde e segurança, contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos;

II – a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações;

III – a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem;

IV – a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços;

V – a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas;

VI – a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos;

VII – o acesso aos órgãos judiciários e administrativos, com vistas à prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos, assegurada a proteção jurídica, administrativa e técnica aos necessitados;

VIII – a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do Juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências;

IX – (vetado);

X – a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

A primeira coisa a saber é que todo estabelecimento comercial que oferece serviços de lazer e diversão, além de atender a leis específicas, deve respeitar o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Conheça, agora, dois importantes direitos assegurados pelo Código:

DIREITO À INFORMAÇÃO

O CDC estabelece que o fornecedor ou prestador de serviços deve informar ao consumidor sobre as características (o que está sendo ofertado), a qualidade (o que faz), a quantidade (peso, etc.), a composição (do que é feito), o preço (valor à vista, valor a prazo, taxa de juros cobrada – sempre em moeda nacional), a garantia, o prazo de validade, a origem (se nacional ou não), entre outros dados, bem como sobre os riscos que produtos ou serviços possam apresentar à saúde e segurança dos consumidores. Porém, não basta apenas propagar essas informações; é também obrigatório que elas sejam corretas (verdadeiras), claras (de fácil entendimento), precisas (indicadas com exatidão), ostensivas (quando colocarem em risco a segurança do consumidor) e em língua portuguesa.

Toda oferta que for veiculada, seja por meio de publicidade em tevê, rádio, jornais, panfletos, Internet, etc., obriga o fornecedor a cumpri-la.

DIREITO À RECLAMAÇÃO

Todo consumidor tem direito de reclamar sobre produtos ou serviços que apresentam vícios ou defeitos.

Vício é toda e qualquer disfunção (de qualidade ou de quantidade) do produto ou serviço que o torna inadequado ou impróprio para utilização;defeito é toda e qualquer falha (de fabricação, montagem, construção, projeto, informação, etc.) em um produto ou serviço que coloca ou é capaz de colocar em risco a vida, saúde e segurança do consumidor.

No caso de vícios aparentes, de fácil constatação, o prazo de reclamação é de 30 dias para produtos ou serviços não duráveis (alimentos, ingressos, passagens aéreas, etc.) e de 90 dias para produtos ou serviços duráveis(títulos de clube, Time Sharing, equipamentos e eletroeletrônicos, etc.). Esses prazos ficam valendo a partir do recebimento do produto ou do término da execução do serviço que foi contratado. Quando houver dificuldade para identificação imediata do vício do produto ou serviço, dizemos que se trata de um vício oculto e, neste caso, os prazos passam a ser contados a partir do momento em que ele for constatado.

Quando houver vício na prestação de serviços (que comprometa sua qualidade ou características, diminua o seu valor ou tratar-se de serviço essencial para o consumidor),você poderá exigir uma das três alternativas: que o serviço seja feito novamente, sem qualquer custo; o abatimento no preço; ou, a devolução do valor pago em dinheiro, com correção monetária (CDC, art. 20).

CINEMA, TEATRO, SHOW, CIRCO, TORNEIOS

INGRESSO - O preço do ingresso deve estar afixado de forma visível. Ele pode variar conforme o tipo de acomodação e distância do local da apresentação; por isso, certifique-se corretamente sobre o que irá comprar. Em locais onde existam setores diferenciados, as casas de espetáculo devem manter mapas com a localização exata das poltronas em relação ao palco; procure consultá-los na bilheteria no momento da compra. Como garantia, guarde anúncios de promoções do evento bem como o canhoto, para o caso de problemas posteriores.

RESERVAS E ENTREGA EM DOMICÍLIO - Nas reservas feitas por telefone, verifique a forma de pagamento e onde os ingressos devem ser retirados. Peça o nome do funcionário que o está atendendo e/ou alguma senha. Nas entregas em domicílio, certifique-se sobre as taxas cobradas pelo serviço e condicione o pagamento à entrega dos ingressos.

INFORMAÇÕES SOBRE A OFERTA - O estabelecimento deve informar a lotação ideal (número de lugares existentes no local do espetáculo), ficando proibida a venda de ingressos em número superior à referida lotação. Quando esta estiver completa, a bilheteria ou local de venda deve informar, por escrito e de forma visível, que a lotação está esgotada. Dados relativos à segurança do público devem estar bem evidenciados (localização de extintores, sistema de abandono do prédio em caso de risco, saídas de emergências, condição de refrigeração da sala, etc.). Os horários devem estar afixados em lugar visível e de fácil leitura.

MEIA ENTRADA - Lei Estadual nº 7844, de 13/05/92. Todo aluno regularmente matriculado em estabelecimentos de ensino de primeiro, segundo e terceiro graus (fundamental, médio e superior) paga meia entrada em cinemas, circos, espetáculos teatrais, esportivos, musicais e de lazer em geral. É obrigatória a apresentação da carteira de identificação estudantil, emitida pela União Nacional dos Estudantes (UNE) ou pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), que é válida em todo o Estado de São Paulo e cuja validade é de um ano.

DEVOLUÇÃO DE INGRESSO - Quando o espetáculo ou jogo para o qual você pagou ingresso for cancelado, sua data de realização alterada ou sua lotação estiver esgotada, você tem direito à devolução do valor pago. O mesmo se dá em caso de qualquer alteração na programação previamente anunciada.

Ao comprar ingressos de cambistas saiba que, além de pagar muito mais, você corre o risco de adquirir ingressos falsificados e de perder o espetáculo. Por segurança, procure adquiri-los com antecedência nos pontos de venda do estabelecimento ou em locais designados oficialmente pelo próprio prestador de serviço.

CASAS NOTURNAS, BARES, RESTAURANTES  e LANCHONETES

COBRANÇA DE ENTRADA – Os estabelecimentos não podem cobrar o valor da entrada cumulativamente à consumação mínima. Esta prática é ilegal e deve ser denunciada aos Procons, pois caracteriza vantagem manifestamente excessiva do fornecedor.

COUVERT – Chama-se couvert as variedades (petiscos, pães, patês, etc.) oferecidas como "tira gosto" pelo estabelecimento ao consumidor, enquanto este espera pelo prato solicitado. O preço do couvert deve obrigatoriamente constar do cardápio, além de estar afixado na tabela de preços exposta na porta do estabelecimento. Lembre-se que ele é opcional; caso não seja de seu interesse, recuse-o imediatamente pois se não o dispensar, ainda que não sendo consumido, ele será cobrado individualmente.

COUVERT ARTÍSTICO - Estabelecimentos que tenham apresentações de música ao vivo ou qualquer outra manifestação artística e que cobrem "couvert artístico", deverão fazer constar de seus cardápios, de forma ostensiva ao público, o valor cobrado por pessoa e os dias e horários das apresentações. A cobrança é admitida somente nos dias e horários em que houver apresentação de artistas no local.

CARDÁPIO - É obrigatória a afixação, na parte externa do estabelecimento, do similar do cardápio referente aos serviços de refeições oferecidos, bem como quaisquer taxas, acréscimos ou valores que possam ser cobrados do cliente, inclusive couvert ou couvert artístico.

GORJETA - Tal cobrança deve ser, obrigatoriamente, informada ao consumidor através do cardápio e da nota fiscal, mencionando-se inclusive seu percentual. Cuidado com as casas que calculam essa taxa de serviço também sobre o couvert artístico, o que significa uma vantagem manifestamente excessiva, prevista como prática abusiva no CDC.

PESO – O direito seu de reclamar sobre vícios de quantidade, sempre que o conteúdo for inferior ao indicado no recipiente, embalagem, rotulagem ou na mensagem publicitária, está previsto no CDC. O fornecedor imediato será responsabilizado se o instrumento de pesagem ou de medição não estiver de acordo com os padrões oficiais; denuncie irregularidades de peso, quantidade ou medida ao IPEM e Procons.

HIGIENE – Verifique as condições de higiene e limpeza dos estabelecimentos, denunciando irregularidades aos órgãos competentes.

PARQUES DE DIVERSÃO, CASAS DE JOGOS, PISTAS DE PATINAÇÃO, SKATE e KART

JOGOS ELETRÔNICOS – Nos estabelecimentos que possuem esse jogos, normalmente a entrada é gratuita, pagando-se pelo tempo de utilização de cada equipamento. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, todos os brinquedos devem trazer instruções em língua portuguesa. O estabelecimento deve exibir em local visível os preços para cada tipo de serviço oferecido, bem como o tempo de duração. Restrições, como em relação à idade do consumidor, devem estar bem evidenciadas.

PARQUES DE DIVERSÃO - Os grandes parques costumam cobrar um valor único pelo ingresso, dando ao consumidor a opção de utilizar-se à vontade de todos os brinquedos. A questão de segurança nesses locais é muito importante. Todos os aparelhos devem trazer informações claras e visíveis, especialmente quanto às restrições de uso, como idade, altura, e sobre os riscos a portadores de determinadas doenças ou limitações físicas.

Parques menores merecem especial atenção, principalmente quanto à segurança oferecida. Verifique se a prefeitura concedeu o Alvará de funcionamento, bem como as condições dos brinquedos: se estão firmes no chão, se não apresentam rachaduras, ferrugem ou deterioração. Encontrando irregularidades, não utilize o parque e denuncie ao CONTRU, em São Paulo, ou à Secretaria da Administração do Município responsável.

PISTAS – Verifique se o estabelecimento oferece a adequada segurança para os participantes e observadores do evento, ou seja: equipamentos apropriados para quem se utiliza do serviço (capacete, cinto, etc.); isolamento de proteção de pista (muros de proteção contra choques, feitos de pneus ou colchonetes); profissionais habilitados a atender o consumidor em caso de quedas ou choques (paramédicos, ambulatórios, etc.) e pessoal para orientar o consumidor sobre o serviço oferecido (professores, instrutores, técnicos, etc.). Verifique valores e horários, que devem estar em local visível.

SEJA UM CONSUMIDOR CONSCIENTE. FIQUE ATENTO ÀS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA DOS ESTABELECIMENTOS. EVITE ACIDENTES DE CONSUMO, DENUNCIANDO IRREGULARIDADES. ESSE AGIR É, ACIMA DE TUDO, UM ATO DE CIDADANIA.

MUSEUS,  FEIRAS, EXPOSIÇÕES e ZOOLÓGICO

INGRESSOS - Normalmente o consumidor paga um valor único para usufruir dos serviços prestados. Uma sugestão é consultar sobre preços especiais, os dias de visitas gratuitas, descontos para grupos (escolas, por exemplo) e o abatimento no preço para menores.

COMÉRCIO - Nos eventos em que se comercializem produtos ou serviços (feiras, exposições, etc.), todas as regras de oferta previstas no Código de Defesa do Consumidor se aplicam. Nos casos em que a compra ou contratação ocorrer fora do estabelecimento comercial, o CDC prevê o direito de arrependimento no prazo de sete dias, contados da assinatura do contrato ou do recebimento do produto. A emissão de nota fiscal ou recibo, bem como a obrigatoriedade no fornecimento de contrato referente à prestação de serviço, além de um direito seu de consumidor, deve ser uma exigência, pois só assim seus direitos podem ser resguardados em caso de problemas.

GUIAS - Dependendo do evento, o consumidor deve verificar se o estabelecimento oferece serviços de guias turísticos, intérpretes ou especialistas do evento. Caso essa condição faça parte da publicidade e não seja cumprida, o fornecedor estará praticando uma publicidade enganosa e o consumidor terá direito de exigir o cumprimento da oferta.

SEGURANÇA - Informe-se sobre a segurança oferecida (principalmente nos locais onde há exposição de animais) e dê especial atenção ao cumprimento das regras estabelecidas aos visitantes. Não permita que crianças sentem ou se debrucem nas muretas divisórias dos recintos dos animais. Mesmo quando se tratar de lazer ao ar livre, o sistema de abandono do local deverá estar identificado de forma clara e de fácil acesso ao público. Em ambientes fechados, as indicações das saídas de emergência e da localização dos extintores são obrigatórias. Respeite as normas de segurança, circulação e proteção existentes.

Se o fornecedor de produtos ou serviços recusar cumprimento à oferta, apresentação ou publicidade, ,você poderá, alternativamente e à sua livre escolha: exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade; aceitar outro produto ou prestação de serviço equivalente; rescindir o contrato com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, e a perdas e danos (art. 35)

ORIENTAÇÕES GERAIS

ESTACIONAMENTO E MANOBRISTA - Sempre que for oferecido serviço de estacionamento, a empresa se torna automaticamente responsável por seu veículo. Os estabelecimentos com mais de 50 vagas são obrigados por lei (Lei 10.927 de 08/01/91) a possuir seguro contra roubos.

Cuidado com pessoas que se dizem manobristas do estabelecimento. Verifique com a casa se o manobrista trabalha para o estabelecimento, antes de confiar seu veículo a estranhos; e, não esqueça de exigir o comprovante de entrega.

PUBLICIDADE – O CDC estabelece que a publicidade enganosa, os métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como práticas e cláusulas abusivas impostas no fornecimento de produtos ou serviços são ilegais, devendo o consumidor denunciá-las. Para que o seu passeio resulte em diversão e entretenimento saudáveis, exerça o seu direito de exigir o cumprimento do que foi ofertado. Mantenha em seu poder toda forma de publicidade utilizada pelo fornecedor, para o caso de precisar formalizar uma reclamação.

NOTA FISCAL - Exija sempre. Ela é muito importante para a efetiva garantia e proteção de seus direitos em caso de devolução ou troca do produto ou reclamação. Guarde também o ingresso e/ou bilhete, tíquete ou cupom do ponto de venda, pois eles também constituem documento de prova caso haja necessidade de formalizar uma reclamação. Constatando qualquer irregularidade na oferta de produtos ou na prestação se serviços, procure a Fundação Procon/SP ou o órgão de defesa do consumidor de seu município.

Lembre-se : sempre que você for lesado e não tiver ou souber a quem recorrer no momento, procure a Delegacia de Polícia mais próxima e registre a ocorrência. O BO (Boletim de Ocorrência) constituirá prova a seu favor, em caso de reclamação posterior no órgão competente. Posteriormente, se for o caso, encaminhe o seu problema aos Procons ou órgãos de defesa do consumidor de sua cidade.

ONDE RECORRER 

CONSELHO ESTADUAL DA JUVENTUDE

CONTRU - Departamento de Controle do Uso de Imóveis.

DEPAVE - Departamento de Parques e Áreas Verdes.

DIMA - Departamento de Inspeção Municipal de Alimentos.

Disk-Psiu

Disque-Sujinho

Fundação PROCON-SP

IPEM- Instituto de Pesos e Medidas.

Secretaria da Fazenda



PROCON







MOMENTO DE REFLEXÃO

Tome posse dos desejos que mais tomam conta do seu tempo.
Faça de cada um deles, um motivo a mais para lutar.
Pegue a vida com coragem e determinação, sem olhar para as barreiras.
Alias, saiba que cada uma das dificuldades encontradas, na verdade pequenos  testes de merecimento," quanto mais você vence, mais se faz merecedor da vitória."
Por isso, não espere nada de mãos beijadas.
Lembre-se que o que cai do céu não são facilidades, mas, por vezes, o aumento das barreiras, é a chuva incessante, é a neve paralisante, e até a titica do passarinho que "esvaziou" na sua cabeça.
Sim, o mundo é cheio de complicações, e a cada dia, mais difícil o seu entendimento; por isso, nada de ficar encostado no muro das lamentações, a vida pede ação e contempla cada um com reações semelhantes, ou seja, colhemos o que plantamos, e normalmente, quando plantamos mal, colhemos aquele mal dobrado, parece que centuplicado.
Já o bem, quase sempre, vem na exata medida das nossas necessidades.
Por que nossos sonhos ainda são pequenos, nossos desejos são contidos, nossas declarações de amor são tímidas demais.
Precisamos urgentemente fazer de cada dia uma lição, uma explosão de força, euforia e determinação, que arrebente com as muralhas do medo, que estoure com os portões da indecisão, que exploda as paredes das coisas pequenas, das mesquinharias, do "inho", coitadinho, menininho, pobrezinho, tadinho...
CHEGA! de tantos diminutivos!
Você é grande!
Foi feito para as grandezas de um mundo tão grande.
É tempo de sacudir a poeira e fazer de novo, tudo novo.
Tempo de derrubar o seu "muro das lamentações", e ser plenamente realizado.
Tá esperando o que?



Paulo Roberto Gaefke

Diário de Sexta-feira 28/08/2015


Sexta-feira, 28 de agosto de 2015


“Quando não defendemos nossos direitos, perdemos a dignidade e a dignidade não se negocia.”



EVANGELHO DE HOJE
Mt 25,1-13

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


"O Reino dos Céus pode ser comparado a dez moças que, levando suas lamparinas, saíram para formarem o séquito do noivo. Cinco delas eram descuidadas e cinco eram previdentes. As descuidadas pegaram suas lâmpadas, mas não levaram óleo consigo. As previdentes levaram jarros com óleo junto com as lâmpadas. Como o noivo demorasse, todas acabaram cochilando e dormindo. No meio da noite, ouviu-se um alvoroço: ‘O noivo está chegando. Ide acolhê-lo!’ Então todas se levantaram e prepararam as lâmpadas. As descuidadas disseram às previdentes: ‘Dai-nos um pouco de óleo, porque nossas lâmpadas estão se apagando’. As previdentes responderam: ‘De modo algum, pois o óleo pode ser insuficiente para nós e para vós. É melhor irdes comprar dos vendedores’. Enquanto elas foram comprar óleo, o noivo chegou, e as que estavam preparadas entraram com ele para a festa do casamento. E a porta se fechou. Por fim, chegaram as outras e disseram: ‘Senhor! Senhor! Abre-nos a porta!’ Ele respondeu: ‘Em verdade vos digo: não vos conheço!’ Portanto, vigiai, pois não sabeis o dia, nem a hora.”


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor








MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade


Bom dia! Contei uma história no ano passado que serve bem para iniciar essa reflexão.
Era uma vez (…)
Certa vez uma jovem moça cansou de acreditar. Preferia a racionalidade a viver da fé naquilo que não podia entender ou ver. Dedicou-se, portanto a focar nas coisas palpáveis e que considerava segura (carreira, financeiro, bens imóveis e moveis) e de certa forma era feliz. Tinha amigos, colegas, reconhecimento, prestigio, (…). Aos seus olhos, nada faltava.
Analisava sua vida como forma de revide para as dificuldades que teve na infância e adolescência. Uma família difícil, pais imaturos e ausentes, dificuldades financeiras, (…); para ela era difícil ver a pessoa de Deus em meio a tamanho sofrimento. Sonhava acordada vendo a vida boa de seus colegas e dessa forma disfarçava a inveja que corria no seu peito e no seu olhar. “Serei grande e rica”! – pensava ela. Não quis casar. Preferiu manter a individualidade e rédeas da sua vida a ter que dividir com alguém suas alegrias, suas memórias, suas dúvidas, (…); não desejava alguém que lhe ajudasse a conduzir sua vida ou a aconselhá-la.
A vida, depois de estabilizada, não mais deu reviravoltas para essa moça. Nunca mais passou por tribulações que não pudessem ser superadas. Progrediu profissionalmente, cresceu, ganhou status e uma promoção. Um dia então, saiu para comemorar com seu carro importado e recém comprado, parou num semáforo e de súbito uma menina bateu-lhe o vidro chamando sua atenção. Algo naquela garota lhe incomodava. Perguntou-lhe então seu nome e surpreendentemente era o mesmo que o seu.
Foi um flashback! Um rio de lágrimas lhe descia aos olhos, imaginava-se naquela criança. Lembrou das dificuldades de criança. O clima nostálgico tomou conta daquele carro ao ponto de desistir de comemorar, preferindo voltar para casa. Lá, abriu a gaveta do armário e escondida entre meias, estava um livro empoeirado e de folhas amareladas. Suas mãos tremiam e por mais que tentasse não conseguia fazê-las parar.
- Quanto tempo não te leio! – Disse ela chorando. Abriu, pois a bíblia e lá numa pagina marcada leu:
“(…) Neste momento os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: Quem é o maior no Reino dos céus? Jesus chamou uma criancinha, colocou-a no meio deles e disse: Em verdade vos declaro: se não vos transformardes e vos tornardes como criancinhas, não entrareis no Reino dos céus. Aquele que se fizer humilde como esta criança será maior no Reino dos céus. E o que recebe em meu nome a um menino como este, é a mim que recebe”. (Mateus 18, 1-5)
Descobriu então o quanto era preciosa desde a sua infância. Questionou-se imediatamente o que fizera para mudar a realidade de outras tantas crianças que não tiveram a mesma sorte ou competência que ela. Não sabia ela que acabava de entender o que é compromisso social.
Saibam que de fato tememos também em conflitar o que fizemos para mudar o nosso redor. Vivemos então uma vida fracionada e não como um todo, O mundo que de fato me preocupo é o que gravita ao redor do meu umbigo. Quem já trabalhou como voluntário em um asilo, num hospital, numa ação social ou para os outros em sua pastoral tem a real noção que NÃO TEMOS PROBLEMA ALGUM se compararmos com esses que REALMENTE precisam de ajuda.
É preciso refletir também um outro lado dessa parábola: “(…) O óleo que nós temos não dá para nós e para vocês. Se vocês querem óleo, vão comprar!”
É obvio que Jesus aqui não apregoava a individualidade ou a famosa frase “o problema não é meu”, mas faço a seguinte pergunta: O que eu tenho haver com aquele que prefere errar a acertar? O que fiz de concreto para mudar a realidade ao meu redor? De que vale ganhar o mundo inteiro e perder a vida eterna? Claro que não temos como por juízo na cabeça de tantos desajuizados por ai, mas o que posso fazer além de fechar os olhos a eles?
Não somente os alcoolizados, viciados, mas todos aqueles que partem para o mundo sem medir as conseqüências de seus atos, aqui incluímos os que fazem barbeiragens no trânsito, que vão brigar nos estádios, que acham “lindo” filmar duas colegas brigando na escola e postar no facebook, Orkut, (…). Essa “noiva” que não pensa o que faz podemos dizer que também se apegou ao imediato, ao fútil, ao prazer temporário, mas agora, ou podemos chamar de hedonismo.
 “(…) É complicado competir com o hedonismo, ou seja, pela busca desenfreada por algo que nos dê prazer. Como o encarregado da propriedade do evangelho de hoje passamos pouco a pouco a esfriar na crença ou na esperança do que acreditamos. Vendemo-nos ou nos permitimos conquistar facilmente pelas coisas que me façam feliz hoje, agora,…”.
Tudo bem que a história que contamos no começo é um conto criado e não um testemunho, mas por que não aprender com a mensagem que transmite o conto? Até quando seremos noivas que apenas esperam e não planejam ou tem ações proativas para melhor recebê-lo?
No mês de Setembro provavelmente refletiremos muito sobre compromisso, ação e omissão quanto ao anúncio da Boa Nova e quanto estou conservando-a dentro de mim através da fé, da esperança e da caridade.
Um imenso abraço fraterno.








CULINÁRIA

Biscoito de maisena


Ingredientes:
1 xícara chá de farinha de trigo
4 xícaras chá de maizena
1 xícara chá de açúcar
2 xícara chá de margarina sem sal
Coco ralado à vontade

Modo de preparo:
Junte todos os ingredientes, misture os e amasse bem
Faça bolinhas, coloque as em uma forma, não é necessário untá-la
Com um garfo aperte as bolinhas deixando-as levemente achatadas
Leve ao forno médio por 10 minutos.



Rosquinha de nata


1 copo(s) de nata
1 colher(es) (sopa) de margarina
1 unidade(s) de ovo
quanto baste de sal
3 colher(es) (sopa) de açúcar cristal
3 xícara(s) (chá) de farinha de trigo
1 colher(es) (sopa) de fermento químico em pó







MOMENTO DE REFLEXÃO

Era uma vez, num reino muito distante que existia um rei magnífico e este rei era o único no reino que tinha no seu escudo mágico uma estrela de ouro que brilhava como a luz do sol.
Todos os cavalheiros no reino possuíam um escudo mágico. De acordo com suas atitudes e seu heroísmo o escudo poderia alcançar um brilho como não havia igual.
 Mas para surgir uma estrela no escudo era necessário um heroísmo muito grande.
 E havia um jovem muito impetuoso no reino que queria muito uma oportunidade para mostrar que era corajoso e assim possuir uma estrela de ouro em seu escudo.
 Nesta ocasião criaturas mágicas e ambiciosas pretendiam tomar o reino e o rei convocou todos os heróis do reino para irem a batalha com as criaturas.
 O jovem viu aí a oportunidade de mostrar o quanto era corajoso.
 O rei chamou então um por um e determinou as suas posições.
 Quando chegou a vez do jovem, o rei então falou: -Você deve ficar no castelo e protegê-lo.
 A custo o rapaz se conteve, principalmente quando soaram as trombetas de partida e a majestosa tropa cavalgava em direção aos campos de batalha.
 Sozinho ficou o jovem guardando o imenso castelo.
 Chegou então um ancião muito distinto na sua presença e lhe narrou os conflitos no campo de batalha de tal maneira que o rapaz via em imagens o horror que estava sendo.
Aflito, vestiu seus aparatos de guerra, pois precisava reforçar o auxílio tão necessário aos  guerreiros.
Então se lembrou das palavras de seu rei, retirou os aparatos e disse para si mesmo:
-Devo obedecer as ordens de meu rei. Devo ficar no castelo.
Depois de algum tempo apareceu uma senhora bastante idosa na sua presença que se admirou de ele se encontrar no castelo enquanto estavam precisando de gente nos campos de batalha.
 Ela então lhe disse que ele precisava ir para  salvar o rei, pois ele estava em uma situação difícil.
 Completamente irado, o jovem desembainhou sua espada, pegou seu escudo, mas novamente as palavras do rei lhe acudiram o espírito. E então o jovem decidiu mais uma vez ficar no  castelo.
 Um moço surgiu então em sua presença. Contou-lhe que esteve nos campos de batalha e que o rei lá sangrava devido a um ferimento grave ocasionado por uma fatal perfuração  de espada próximo ao seu coração e que provavelmente haviam perdido a batalha, pois a quantidade de guerreiros mortos era muito grande.
 O jovem então montou o seu belo cavalo e cavalgou velozmente em direção a saída do castelo, quando estava próximo do portão principal gritou num ímpeto:
-Fechem todas as entradas do castelo. Levantem as pontes levadiças. E disse para si mesmo:
-Devo me encerrar dentro deste castelo. Devo cumprir a palavra que dei a meu rei. E assim foi.
 O jovem não viu quando o moço que lhe trouxe as notícias, cruzou a saída do castelo e num estado de fúria transformou-se numa das mágicas criaturas e foi-se embora.
Soaram então os maravilhosos acordes de trombetas anunciando a chegada dos guerreiros vitoriosos.
 Prontamente o jovem se posicionou para recepcioná-los e, de cabeça erguida, segurava seu escudo enquanto passavam por ele. Passou o seu rei e sorriu-lhe, mas ele maravilhado olhava os escudos brilhantes dos guerreiros, e não entendia, entretanto, porque os guerreiros olhavam tanto para ele e principalmente não tiravam os olhos de seu escudo.
Ele não podia imaginar que os guerreiros admiravam a bela estrela de ouro que brilhava no seu magnífico escudo.

... vencer a si mesmo é a batalha mais difícil de nossas vidas ...