Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Quinta-feira 30/07/2015


Quinta-feira, 30 de julho de 2015


“Habilidade é o que você é capaz de fazer. Motivação determina o que você faz. Atitude determina a qualidade do que você faz.”



EVANGELHO DE HOJE
Mt 13,47-53

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 47“O Reino dos Céus é ainda como uma rede lançada ao mar e que apanha peixes de todo tipo. 48Quando está cheia, os pescadores puxam a rede para a praia, sentam-se e recolhem os peixes bons em cestos e jogam fora os que não prestam.
49Assim acontecerá no fim dos tempos: os anjos virão para separar os homens maus dos que são justos, 50e lançarão os maus na fornalha de fogo. E aí, haverá choro e ranger de dentes. 51Com­preendestes tudo isso?” Eles responderam: “Sim”.
52Então Jesus acrescentou: “Assim, pois, todo mestre da Lei, que se torna discípulo do Reino dos Céus, é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas”. 53Quando Jesus terminou de contar essas parábolas, partiu dali.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade

Bom dia!
Será que temos a dimensão desse reino? Temos noção concreta que todos são acolhidos e recolhidos por essa rede? Temos ainda problemas em entender que não sou eu que escolho quem deve entrar na rede e tão pouco quem ficará no cesto? Dom Alberto certa vez disse:
“(…) Nada antepor a Cristo. É esse pedido que faço hoje. Que nada passe na frente Dele. Que nenhuma escolha, que nenhuma outra coisa seja preferida no lugar de nosso Senhor Jesus Cristo”. (Dom Alberto Taveira)
O Senhor um dia nos convidou e volta a nos convidar a lançar as redes, e talvez na direção que nunca imaginei.
Por acaso temos nos lançado mar adentro para buscar novos cardumes ou nos acostumamos a pescar no aquário? Estamos ainda esperando que as pessoas venham a nós? Não desacredito que o Bom Pastor as traga ao seu redil, mas não é hora de desenterrar esse talento para resgatar o irmão ao invés de apenas ficar esperando o meu senhor voltar.
“(…) Quero dar um outro acento à tarefa da RCC… Chamem as pessoas para a Igreja. Por favor, vocês encontrarão muita gente sem os sacramentos do batismo, sem 1ª comunhão, sem crisma. Mesmo quem não é catequista formalmente, seja a pessoa que ecoa a Palavra de Deus em sua vida, no seu comportamento para que isso chegue a muitos. Siga Jesus sem medo de dar respostas”. (Dom Alberto Taveira)
Nossa igreja é como Padre Joãozinho diz: um dínamo. Não é estática. O vento sopra para onde quer e não como quero. A igreja publicou as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2011 a 2015, já lemos? O Documento de Aparecida… Estamos pondo-o em prática?
Por vezes achei que estava sozinho, pois às vezes parece que nossas comunidades (as pessoas) parecem andar na contramão do que a igreja pede. Vemos grupos de oração mais parecendo com igrejas protestantes, vemos a falta de paciência e compromisso das pessoas, vemos as pessoas não querendo ser corrigidas… Enquanto isso quem perde são as ovelhas que desejam um lugar seguro pra voltar e quando nos vêem brigando, fogem.
Sei que não estou só nesse pensamento:
“(…) A primeira experiência de São Bento foi a solidão. Uma solidão habitada por Deus. Uma solidão digna. Ficar sozinho por si mesmo não é sadio e nem tem sentido. Mas essa solidão habitada pela presença de Deus, essa sim é digna. Essa solidão atraiu outras pessoas, que quiseram viver junto dele. E a família espiritual de Bento cresceu e gerou frutos pelos séculos no mundo inteiro. Ele perdeu o medo, encheu-se de coragem, formou pessoas e ajudou a muitos a se aproximarem de Deus”. (Dom Alberto Taveira)
Quando reafirmo sobre o que padre Joãozinho diz sobre a natureza dinâmica do Espírito Santo estou colocando certa conotação a frase do Senhor “Verdades novas e verdades velhas”… Falo isso, pois até um tempo atrás nosso foco era a formação, o reconhecimento das pessoas dentro de nossas comunidades e a necessidade emergencial daqueles que mais precisavam, mas hoje, movidos pelo mover proposto em Aparecida chamado de “discípulo missionário”, temos que ir além de nossos muros.
Nossa formação não pode ser mais baseada em pequenas resenhas ou apostilas, precisamos de estudo, mas realmente sólido. Documentos da Igreja, subsídios pastorais da CNBB e principalmente um estudo mais refinado da Bíblia e da exegênese.
Pessoas nesse mundo estão cada vez mais sozinhas, depressivas, angustiadas e sedentas de palavras de conforto, amizade e carinho (…) e nós aqui com uma pá na mão e com o talento na outra, prontos para enterrá-lo.
Não é a RCC ou o ECC ou MCC ou a Pastoral A ou B, o Espírito Santo dínamo de nossa igreja e nossa fé nos convocando a cumprir a vontade daquele que é o Senhor de nossas vidas:
“(…) Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo. (Mateus 28, 19-20)
Vamos apresentar as pessoas o tesouro que encontramos e vendemos tudo para alcançá-lo.
“(…) Vocês entenderam essas coisas”?
Escrevi esse texto ano passado… E o que mudou?
Um imenso abraço fraterno.





MUNDO ANIMAL

Como ensinar seu cão a latir menos


Entenda o que pode levar seu cão a latir demais e aprenda como resolver esse problema.


Latidos excessivos deixam donos, e principalmente os vizinhos, muito irritados com os cães “tagarelas”. Mas, por incrível que pareça, os donos que menos gostam de latidos são os que mais rapidamente ensinam o cão a latir para tudo. Isso porque, para cessar os latidos, lhe dão exatamente o que ele quer. Assim, os cães aprendem que latindo conseguem o que querem: chamar a atenção!
Para abrir a porta, pegar um brinquedo escondido ou simplesmente para ganhar atenção, os peludos aprendem latir para serem atendidos. E o dono, cansado de tanto barulho atende para por um fim aos pedidos insistentes. Agindo assim, só reforçam um comportamento que gostariam que fosse diferente.

O melhor seria atender aos desejos do seu melhor amigo antes que ele lata, criando outras formas de comunicação. Para isso observe os sinais alternativos usados pelo cão, aos quais você não dava atenção. Como quando ele põe a pata no seu colo para pedir carinho ou fica olhando para a maçaneta para alguém abrir a porta. Novos comportamentos comunicativos podem ser ensinados, como trazer a guia na boca para mostrar que quer passear ou cumprimentar, para ganhar petisco.

Bronca = Atenção

Por mais incrível que pareça, as broncas são, e muitas vezes, uma maneira de atender aos latidos. Se o seu cão late e mesmo que você não atenda o que ele quer inicialmente, parar o que está fazendo para brigar, gritar ou mesmo dar uns “tapinhas”, pode ser encarado por ele como uma maneira de ganhar a atenção que ele tanto deseja. O ideal nessas situações é primeiramente frustrar os chamados do seu melhor amigo, ignorando. Sei que muitas vezes o inconveniente é tanto que é difícil ignorar, pois há cãezinhos com muito fôlego. Nesses casos o mais apropriado é usar uma bronca que chamamos de despersonalizada no exato momento dos latidos, provocando um susto nele sem que ele associe a você. Assim o cão entende que latir não é uma boa forma de se comunicar, afinal, isso pode gerar barulhos inesperados.
Mas cuidado, se você tem mais de um cachorro em casa pode repreender o peludo que está quieto. Se esse for seu caso prefira usar um borrifador com água, esguichando o jato apenas no cãozinho berrador.

Exercício e atividades

Caprichar nas broncas pode não ser a solução dos problemas. Cães ociosos tendem a desenvolver muito mais problemas comportamentais, como destruição e latidos em excesso. Por isso, procure exercitar o seu melhor amigo diariamente com brincadeiras, adestramento e passeios.
Brincadeiras aeróbias são as mais recomendadas, pois provocam relaxamento mental e físico, além de alterarem alguns neurotransmissores cerebrais, funcionando de maneira semelhante a um antidepressivo.

O adestramento também pode ajudar, pois possibilita muito estímulo físico e mental para os cães.  Aquele biscoito que seu pet adora, pode ser dado em troca de comandos simples, o que já torna esse momento mais divertido. Passeios diários também são muito importantes. Exercitam o cão, fornecem muitos estímulos visuais, auditivos e olfativos, além da atividade ser feita na companhia do dono, o que também é muito importante para os cães.

Brinquedos, ossinhos e tudo mais que costuma entreter seu amigo, podem ser boas opções para deixar seu cão ocupado na sua ausência e evitar os latidos e as reclamações dos seus vizinhos.

---

Texto: Tarsis Ramão (adestradora da Cão Cidadão)Revisão e edição: Alex Candido








MOMENTO DE REFLEXÃO

É você quem decide se há uma lição em cada alegria, cada tristeza e cada dia comum pelo qual passa, ou se desperdiça todos os momentos de prazer e dor.

Não são os fatos que acontecem que fazem com que você aprenda algo, mas somente suas respostas e reações àquilo que acontece.

Também não são as experiências de sua vida, desde a infância, que transformaram você na pessoa que é hoje, mas somente a maneira como reagiu, ou respondeu, àquilo que você viveu.

Veja que são coisas bem diferentes.

Tudo o que você é, tudo o que você foi e tudo o que você será tem relação direta com o jeito como você age quando uma coisa boa, ou má, acontece na sua vida.

Exatamente por isso, uma mesma situação pode levar uma pessoa a tornar-se mais ácida, deprimida, cínica e isolada, enquanto outra, na exata mesma situação, aproveita para se tornar alguém melhor, com mais fé, coragem, resistência e confiança no espírito humano ou em seu próprio potencial de ser feliz.

Coisas boas e coisas ruins acontecem a todos os seres humanos de  modo aleatório, mas consistente com leis matemáticas e universais de ação e reação.

Por isso não é possível vivermos em um paraíso, mas podemos ser um oásis de paz no meio das guerras que muitas outras pessoas vivem, se nos lembrarmos de que não podemos escolher tudo o que nos acontece, mas quase sempre podemos escolher o modo como reagimos àquilo que nos acontece.



Podemos fugir à tristeza? Não.

Podemos impedir todas as perdas? Não.

Podemos prender a nós todos os que amamos? Não.

Mas podemos usar os momentos de dor e separação como razão para tornar ainda mais importantes os momentos nos quais estamos ao lado dos que amamos; podemos tornar nosso trabalho mais profundo, podemos nos tornar pessoas diferentes daquilo que já fomos.

Podemos escolher nossas reações.

Podemos ser, hoje, melhores do que fomos ontem.

Mesmo quando a realidade é dura, sua reação, sua resposta à ela pode levar você para frente, para novos horizontes e uma vida mais rica ou pode derrubar você.

Se isso acontecer e você cair ao chão, faça com que seja uma queda temporária.

Levante-se e ande..

O fracasso só existe se você não se levantar após uma queda.

Cabe a você, e somente você, escolher se os acontecimentos de ontem, hoje e amanhã serão usados para torna-lo uma pessoa melhor ou pior do que você é agora.

É apenas uma escolha. A sua escolha.

Qual será sua escolha hoje?





Diário de Quarta-feira 29/07/2015


Quarta-feira, 29 de julho de 2015


“Vencer a si próprio é a mais bela das vitórias.”



EVANGELHO DE HOJE
Lc 10,38-42

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


E muitas pessoas tinham vindo visitar Marta e Maria para as consolarem por causa da morte do irmão. Quando Marta soube que Jesus estava chegando, foi encontrar-se com ele. Porém Maria ficou sentada em casa. Então Marta disse a Jesus:
- Se o senhor estivesse aqui, o meu irmão não teria morrido! Mas eu sei que, mesmo assim, Deus lhe dará tudo o que o senhor pedir a ele.
- O seu irmão vai ressuscitar! - disse Jesus.
Marta respondeu:
- Eu sei que ele vai ressuscitar no último dia!
Então Jesus afirmou:
- Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim nunca morrerá. Você acredita nisso?
- Sim, senhor! - disse ela. - Eu creio que o senhor é o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade

Bom dia!
No Evangelho de Lc 10,38-42 (Jesus visita Marta e Maria) narrava a inquietação de uma irmã (MARTA) contrapondo-se com a contemplação amorosa da outra (MARIA). É fato que apenas Lucas e João narram passagens em que essa duas mulheres cruzam a vida de Jesus, mas é sabido também que nos poucos momentos que Jesus buscou o descanso, era na casa delas e de seu amigo Lázaro que Jesus encontrava um abrigo seguro.
Reparem, é outro momento e outra situação.
Naquela narrada em  Lc 10,38-42, vemos uma Marta atribulada com os afazeres e Maria prostrando-se aos pés do Senhor. Muita gente para nessa reflexão, mas convido a reparar o que aconteceu no evangelho de hoje: Dessa vez foi Marta que buscou ao Senhor enquanto Maria ficou a parte. “(…) Quando Marta soube que Jesus estava chegando, foi encontrar-se com ele. Porém Maria ficou sentada em casa“.
Um dia pode ser totalmente diferente do outro… Lembremo-nos: outro momento, outra situação.
Quantas pessoas de fé e testemunho de vida certo dia foram surpreendidas pela apatia da sensação de impotência em virtude de um fato, uma situação, uma tragédia? Quantas tempestades surgiram “do nada” sucumbindo até mesmo aqueles que já se consideravam maduros na fé? Maria, aquela que um dia se pôs aos pés do Senhor em contemplação, vivia talvez um dia sem esperança.
Saibam que esse deve ser um dos motivos que levam muitas pessoas de fé a abandonar tudo que um dia acreditaram, construiram e pregaram a viver uma vida ermitã pelo mundo. Na dor esquecemos os processos naturais da vida e as leis que regem a natureza.
Lázaro, mais adiante é ressuscitado por Jesus, mas inevitavelmente um dia morreria. Assim como hoje sou curado por Deus, um dia, retornando aos velhos hábitos ou com o avançar dos dias e dos anos, fatalmente voltariam os problemas respeitando assim a fisiologia natural do nosso envelhecimento. Lembre-se que Jesus sempre nos faz voltar melhor após encontrá-lo.
O que Marta encontrou em meio à dor da perda do seu irmão? A PAZ!
Enquanto Maria demonstrava o abatimento natural daquele que perdeu uma batalha, Marta, a que não parava, dessa vez fez a escolha certa e também não lhe foi retirada “(…) Se o senhor estivesse aqui, o meu irmão não teria morrido! Mas eu sei que, mesmo assim, Deus lhe dará tudo o que o senhor pedir a ele”.
Portanto se o momento de agora é diferente do seguinte é importante entender que existem altos e baixos que deverão ser encarados com naturalidade e perseverança na fé. Dificilmente ficaremos o tempo inteiro no monte (contemplativo, na graça, flutuando) e também o tempo inteiro na planície (aridez, tibieza, secura), se conseguimos ver isso passaremos a entender que os tropeços são inerentes ao ato de caminhar, mas cada um é livre pra escolher por onde e que terreno deseja aprender a fazê-lo.
Um dia após o outro, mas em todos, independentemente se ensolarado ou chuvoso, rendamos graças a Deus e Nele busquemos forças e um espírito perseverante. Davi entendeu profundamente esse pensamento.
“(…) É em vós, Senhor, que procuro meu refúgio; que minha esperança não seja para sempre confundida. Por vossa justiça, livrai-me, libertai-me; inclinai para mim vossos ouvidos e salvai-me. Sede-me uma rocha protetora, uma cidadela forte para me abrigar: e vós me salvareis, porque sois meu rochedo e minha fortaleza. Meu Deus, livrai-me da mãos do iníquo, das garras do inimigo e do opressor, porque vós sois, ó meu Deus, minha esperança. Senhor, desde a juventude vós sois minha confiança. Em vós eu me apoiei desde que nasci, desde o seio materno sois meu protetor; em vós eu sempre esperei. Tornei-me para a turba um objeto de admiração, mas vós tendes sido meu poderoso apoio. Minha boca andava cheia de vossos louvores, cantando continuamente vossa glória. Na minha velhice não me rejeiteis, ao declinar de minhas forças não me abandoneis”. (Salmo 70, 1-9)
Santa Marta, ensina-nos a ver vida, a esperança e a chance e esquecer a morte, o desânimo e o fim.
Um imenso abraço fraterno.






CURIOSIDADES

Algumas curiosidades sobre Johnny Depp:


- Começou a fumar aos 12 anos.
- Perdeu a virgindade aos 13 anos, com uma mulher mais velha.
- Saiu da escola aos 15 anos.
- Teve sua primeira banda aos 13 anos.
- Depp ganhou com 13 anos sua primeira guitarra (hoje tem uma coleção), seu sonho nunca foi se tornar ator e sim músico. Formou duas bandas ao longo do tempo a banda The Kid e a Banda P
- Seus pais se separaram quando Johnny tinha 15 anos.
- Quando era jovem, as meninas o achavam estranho.
- Já se apaixonou por uma líder de torcida.
- Já queimou seu rosto acidentalmente.
- Já teve fama de “bad boy” e “garoto bonitinho”.
- Tem mania de falar ”You know”.
- Johnny coleciona roupas e objetos de seus filmes.
- É doido por livros raros e chegou a pagar 15 mil dólares por um casaco que pertenceu a Jack Kerouac, o escritor beatnik de On The Road.
- Tem medo de palhaços e adora animais.
- O único filme em que ele dirigiu até hoje foi “O Bravo” (1997).







MOMENTO DE REFLEXÃO

Há mulheres que dedicam suas vidas inteiramente aos filhos, esquecendo-se completamente de si.
Quando os filhos tornam-se adultos, elas cobram dos filhos o desamparo que elas sentem.
Este tipo de mãe é aquele que tem uma quantidade de amor para dar. É como se tivesse uma bacia d’água, e com o passar dos anos fosse pegando a água com a caneca e dando aos seus filhos.
No final da vida a bacia está seca.
Esta mãe torna-se triste, vazia, sentindo-se abandonada e sem rumo, e começa a cobrar dos filhos o “amor” que ela lhes deu, exigindo que eles encham a bacia d’água novamente, pois foram eles que a secaram.
O amor não é limitado, o amor é fonte.
O melhor seria que, ao invés de pegar a água da bacia, ela fosse buscar esta água de uma enorme cachoeira que jorra dela mesma.
Este é o amor real, ilimitado e sem cobranças. Ela sente-se viva e feliz de ver seus filhos crescidos e prontos para o mundo, sentindo-se ainda amparada pela mesma fonte que a nutriu.
A criança sempre retribui, na hora, o amor que lhe é dado, pelo sorriso, pela expressão de felicidade  e confiança. Ela não fica em débito.
O adulto é que, às vezes, na sua visão mercantilista, vê no filho um investimento futuro, esperando devolução com juros.

Texto extraído do Livro: Liberdade de Ser / Autora: Eliane de Araujoh



Diário de Terça-feira 28/07/2015


Terça-feira, 28 de julho de 2015


“O maior valor da vida não é o que você obtém. O maior valor da vida é o que você se torna.” (Jim Rohn)



EVANGELHO DE HOJE
Mt 13,36-43

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Então Jesus deixou a multidão e voltou para casa. Os discípulos chegaram perto dele e perguntaram:

- Conte para nós o que quer dizer a parábola do joio.
Jesus respondeu: - Quem semeia as sementes boas é o Filho do Homem. O terreno é o mundo. As sementes boas são as pessoas que pertencem ao Reino; e o joio, as que pertencem ao Maligno. O inimigo que semeia o joio é o próprio Diabo. A colheita é o fim dos tempos, e os que fazem a colheita são os anjos. Assim como o joio é ajuntado e jogado no fogo, assim também será no fim dos tempos. O Filho do Homem mandará os seus anjos, e eles ajuntarão e tirarão do seu Reino todos os que fazem com que os outros pequem e também todos os que praticam o mal. Depois os anjos jogarão essas pessoas na fornalha de fogo, onde vão chorar e ranger os dentes de desespero. Então o povo de Deus brilhará como o sol no Reino do seu Pai. Se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor





MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade

Bom dia!
Aprendemos na escola que cargas positivas atraem negativas e vice-versa, consequentemente as que têm polaridades iguais se repelem mutuamente. Segundo a lei da gravitação universal, um corpo de maior massa tende a trazer para si outro de menor massa, sendo assim explicado porque rodamos em torno do sol. Dentro do nosso planeta, nosso mundo, (…) positivos ou negativos, não importa, somos atraídos por algo bem maior que nós todos.
“(…) E quando eu for levantado da terra, atrairei todos os homens a mim”. (João 12, 32)
É importante diferenciar esse pensamento inicial do que é apregoado como “lei da atração”, que não é a de Newton, mas a que nada mais é que uma forma de encarar a vida como não dependêssemos de nada, a não ser de nosso pensamento, para ter um determinado sucesso. Nessa dita “lei da atração”, seus adeptos procuram atrair coisas que lhes favoreçam no sentido financeiro, sendo que o próprio site oficial do livro caracteriza isso.
“(…) O homem não é fruto da sorte, nem de um conjunto de circunstâncias, nem de determinismos, nem de interações físico-químicas; é um ser que goza de uma liberdade que, levando em conta sua natureza, transcende-a e é o sinal do mistério de alteridade que o habita!”. (Bento XVI: Por uma Ciência com Consciência / Academia de Ciências de Paris-2008)
Preciso aprender a reconhecer que existe algo maior que mim mesmo. Algo que me atrai constantemente para Ele e por mais forte que seja minha vontade de fugir, sua infinita “massa” me atrai. Vemos pessoas céticas, agnósticas, com formações puramente científicas, passarem a vida a procurar a não existência dessa força que nos atrai. Pessoas renomadas, conceituadas, estudadas sendo atraídas sem saber, atraídas pelo mistério da fé que temos e que passam a vida semeando o joio sem saber, que também, o Senhor os fez grão de trigo.
Charles Darwin um dia disse que “Devo dizer-vos que em vosso livro Pretensões da Ciência expressastes a minha profunda convicção, e mesmo mais eloqüentemente do que eu saberia fazê-lo, isto é, que o universo não é e nem pode ser obra do acaso”; Isaac Newton refletiu assim: “Esta elegantíssima coordenação do sol, das estrelas, dos planetas e dos cometas não pode ter outra origem que o plano e o império do Ser dotado de inteligência e de poder, que tudo domina, não como alma do mundo, mas como o Senhor de todas as coisas, eterno, infinito, onipotente, onisciente”.
Onde eu entro nesse contexto?
Muito maior que nós mesmos e de nossos entendimentos (pensamentos e atitudes) habita algo maior que cabe dentro de um menor. Como entender um Deus tão grande que habita num ser tão pequeno como nós. São João evangelista, creio eu, deve ter pensado por longos anos para no fim explicar que Deus é Amor (I João 4, 8). E quando nos permitimos a nos descobrir, segundo Paulo, revelamos a imensidão de um Deus tão grande (II Coríntios 3 18); passamos a refletir algo que atrai as pessoas, não pelo que sou, mas por aquilo que acredito que habita em nós. Sem querer descubro que o reino de Deus habita em mim. “(…) Então o povo de Deus brilhará como o sol no Reino do seu Pai”.
“(…) O amor permite sair de si mesmo para descobrir e reconhecer o outro; ao abrir-se à alteridade, afirma também a identidade do sujeito, pois o outro me revela a mim mesmo”. (Bento XVI: Por uma Ciência com Consciência / Academia de Ciências de Paris-2008)
A ciência moderna ainda não respondeu sobre a “atração” do amor; ainda não respondeu sobre a “força gravitacional” que nos ter fé (…). O criador da Teoria Quanta, Max Plank, disse: “(…) Deus está no ponto de chegada de toda reflexão.”
O Senhor saiu novamente e semeou sementes boas de trigo.
Um imenso abraço fraterno.






VIDA SAUDÁVEL

Casal deve dividir senhas do face, e-mail, etc.?



Um bocadinho de anos atrás, ciumentas e ciumentos de carteirinha precisavam recorrer ao vapor da chaleira para descobrir o que era endereçado ao seu amor. Outra alternativa era ouvir na extensão do telefone. No lugar da chaleira e da extensão, hoje tem muita gente exigindo do companheiro as senhas do face, do e-mail, do celular e por aí vai… tudo isso, como uma prova de amor e de confiança! Mas será que isso é saudável para o relacionamento? Vamos ver mais de perto!


“Se você me ama, então me dá a sua senha do face”

Já ouviu ou disse isso para alguém? Será que é uma prova de amor entregar a senha de uma rede social para o parceiro? Na verdade pode ser exatamente o contrário. Amor e respeito caminham juntos ou, pelo menos, deveriam.

Estar com alguém, dividir a vida com alguém não é uma tentativa de estabelecer uma relação em que 1 + 1 = 1. Um casal é composto por 2 pessoas e a privacidade é essencial para manter uma relação sadia feita por pessoas sadias, cada uma sendo uma! Tentar transformar o casal é uma só pessoa pode trazer prejuízo para ambos os parceiros e, principalmente, para o relacionamento.


Se você não tem nada a esconder, então me deixar usar o seu whatsapp


Opa! Não se trata de ter algo a esconder, mas de respeito, inclusive pelos amigos do seu parceiro. Imagine a seguinte situação: você escreve para a sua amiga contando algo muito pessoal que não quer que ninguém saiba, além dela. Mas a mensagem também é lida pelo namorado dela. Ou seja, ao trocar as senhas com o seu parceiro não é só a privacidade de vocês que é invadida, mas a de todo mundo que fala com o casal!

E se diante disso, você pensar: ‘mas já avisei aos meus amigos que temos a senha um dou outro, então segredo só cara a cara!’ Vai precisar concordar que ter as senhas não garante a ausência de segredos nem de eventuais infidelidades!


Casal deve dividir senhas como garantia de fidelidade, certo?


Não, definitivamente! Todos os especialistas em relacionamento, incluindo detetives particulares, são unânimes em dizer que quem deseja trair pode até se sentir mais confortável, com um álibi mesmo, ao entregar suas senhas ao parceiro. Enquanto um acha que tem acesso a tudo, o outro cria novas identidades, perfis, etc. e pode trair tranquilamente, sem levantar suspeitas!


Alimentando um monstro


Dividir a senha pode criar inúmeras situações desagradáveis, muitas pessoas ficam o tempo todo de olho no perfil do outro, recebendo as notificações e mensagens. Isto alimenta um comportamento possessivo e controlador que diante de um ‘oi, foi ótimo ontem!’ imagina uma tórrida noite de amor, quando na prática pode ter sido apenas um encontro profissional. O casal passa a acompanhar, perseguir, imaginar o que estaria por trás de um “Oi”, um curtir, uma cutucada como quem persegue um carro suspeito.


O que fazer com as senhas?


Se de forma natural e por razões práticas, o casal decide compartilhar as senhas, sem transformar isto numa espécie de rastreador, toda esta situação pode ser muito tranquila, sem nenhum desrespeito ou invasão.

Mas se a sua intenção ao trocar as senhas é ter o outro sob vigilância, no fundo por medo de perdê-lo, saiba que a melhor forma de manter um parceiro a seu lado, é controlar, cuidar e amar a si mesma antes de qualquer coisa, respeitando a sua individualidade e a do companheiro.

Conhecer o companheiro profundamente permite identificar insatisfações e dialogar abertamente sobre elas. Troca de alianças é lindo, mas troca de senhas é no mínimo deselegante!








MOMENTO DE REFLEXÃO

Pense sempre, de forma positiva. Toda vez que um pensamento negativo vier à sua cabeça, troque-o por outro! Para isso, é preciso muita disciplina mental. Você não adquire isso da noite para o dia: Assim como um atleta, treine muito.

Não tenha medo de nada nem de ninguém. O medo é uma das maiores causas de nossas perturbações interiores. Tenha fé em você mesmo. Sentir medo é acreditar que os outros são poderosos. Não dê poder ao próximo.

Não se queixe. Quando você reclama, tal qual um ímã, você atrai para si toda a carga negativa de suas próprias palavras. A maioria das coisas que acabam dando errado, começa a se materializar quando nos lamentamos.

Risque a palavra culpa do seu dicionário. Não se permita esta sensação, pois quando nos punimos, abrimos nossa retaguarda para o negativo, que vibra com nossa melancolia.

Não deixe que interferências externas tumultuem o seu cotidiano. Livre se de fofocas, comentários maldosos e gente deprimida. Isto é contagioso.

Não se aborreça com facilidade e nem dê importância às pequenas coisas. Quando nos irritamos, envenenamos nosso corpo e nossa mente.
Procure conviver com serenidade e quando tiver vontade de explodir, conte até dez.

Viva o presente. O ansioso vive no futuro. O rancoroso vive no passado. Aproveite o aqui e agora. Nada se repete. Tudo passa. Faça o seu dia valer a pena. Não perca tempo com melindres e preocupações, pois só trazem doenças.

Relaxe!




Diário de Segunda-feira 27/07/2015


Segunda-feira, 27 de julho de 2015


“A mais extrema forma da ignorância é quando você rejeita algo sobre o que você não sabe nada.” (Wayne Dyer)



EVANGELHO DE HOJE
Mt 13,31-35

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!





31Naquela hora, alguns fariseus aproximaram-se e disseram a Jesus: “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. 32Jesus disse: “Ide dizer a essa raposa: eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã; e no terceiro dia terminarei o meu trabalho. 33Entretanto, preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém.
34Jerusalém, Jerusalém! Tu que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos, como a galinha reúne os pintinhos debaixo das asas, mas tu não quiseste! 35Eis que vossa casa ficará abandonada. Eu vos digo: não me vereis mais, até que chegue o tempo em que vós mesmos direis: Bendito aquele que vem em nome do Senhor”.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor





MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade

Jesus contou outra parábola. Ele disse ao povo:
– O Reino do Céu é como uma semente de mostarda, que um homem pega e semeia na sua terra. Ela é a menor de todas as sementes; mas, quando cresce, torna-se a maior de todas as plantas. Ela até chega a ser uma árvore, de modo que os passarinhos vêm e fazem ninhos nos seus ramos. Jesus contou mais esta parábola para o povo:
– O Reino do Céu é como o fermento que uma mulher pega e mistura em três medidas de farinha, até que ele se espalhe por toda a massa.
Jesus usava parábolas para dizer tudo isso ao povo. Ele não dizia nada a eles sem ser por meio de parábolas. Isso aconteceu para se cumprir o que o profeta tinha dito: “Usarei parábolas quando falar com esse povo e explicarei coisas desconhecidas desde a criação do mundo.”
Bíblia Sagrada – Nova Tradução na Linguagem de hoje – Ed. Paulinas
Bom dia!
Existem em nossa caminhada (profissional, sentimental, espiritual) decisões a serem tomadas e dentre elas: Aonde quero chegar? Até onde posso ir? Pronto! Vou comprar um livro de auto-ajuda! (risos)
Um amigo meu disse recentemente que os livros de auto-ajuda na verdade não se adaptam a todas as pessoas, e sim a uma parcela pequena que consegue transformar aquelas palavras, expressões e contextos motivacionais em coisas palpáveis e aplicáveis no dia a dia. “O monge e o Executivo”, “Quem mexeu no meu queijo”, “Pais brilhantes, filhos fascinantes”, dentre outros, são exemplos de livros que nos revelam coisas que no fundo já sabemos, mas não dão respostas as perguntas acima citadas. Mas por quê? Pois isso cabe a nós mesmos decidirmos!
Até quando e até onde desejo crescer? “(…) Ela é a menor de todas as sementes; mas, quando cresce, torna-se a maior de todas as plantas. Ela até chega a ser uma árvore…”.
Reafirmando: Em qualquer uma das esferas (profissional, sentimental, espiritual) é preciso, em um determinado momento, decidir até onde quero, devo e como crescer. Um bom jardineiro que conheço diz que não devemos temer a poda. Ficamos receosos em cortar algo que nos impede de crescer imaginando que nos fará falta hoje no futuro e que no fim, apegados a ele, crescemos o suficiente para virar um simples arbusto. Dizia ele também, que para engrossar e ganhar volume era necessário cortar as folhas mais novas (olhos da planta) por um período, mas se o objetivo fosse se impor, se destacar, aparecer sobre as demais, que cortássemos os galhos mais baixos e se deixasse as folhas novas.
Usando a analogia: Querendo passar num vestibular, num concurso, arrumar um bom emprego, terminar bem os estudos, crescer na espiritualidade, na fé, na esperança, (…) não podemos temer as podas. Precisamos ser mais robustos, não balançar com os ventos, (…); precisamos abandonar as vaidades, as pressões de moda, tendências, egoísmos, (…). Precisamos de galhos (postura) fortes. São Gregório, segundo São Tomás de Aquino, dizia que “(…) sobre esses galhos descansam as almas dos justos, que se elevam dos pensamentos mundanos com as asas das virtudes e respiram longe dessas fadigas, recebendo as palavras e consolos sobrenaturais”. O que torna minha decisão acertada ou não, é a sabedoria que vem de algo maior que nós mesmos.
Um ponto importante a ser acrescido: A mulher do evangelho de hoje, segundo santo Agostinho representa a sabedoria e as três medidas são os três graus de caridade, representados como: “(1) Com todo o coração, (2) com toda a alma e (3) com toda a inteligência”.
“(…) E amá-lo de todo o coração, de todo o pensamento, de toda a alma e de todas as forças, e amar o próximo como a si mesmo, excede a todos os holocaustos e sacrifícios”. (Mateus 12, 33)
Sendo assim, o adubo dessa mostarda depende de quanto me empenho de coração, de espírito e do esforço com que busco meus objetivos. Não adianta reclamar que nos faltam oportunidades, chances, (…) e que alguns são privilegiados em detrimento a outros. Sim, sabemos que pessoas em vários campos sociais, econômicos e profissionais têm sido “vergonhosamente” favorecidas estando até, aos olhos do mundo, altas, mas no que diz a construção do reino de Deus, são sementes que nem chegaram a germinar e se não germina ainda não permitiu que o céu nascesse em si. “(…) O Reino do Céu é como uma semente de mostarda…”.
Crescer robusto é a palavra de ordem. Isso se inclui até mesmo quando falamos ou trabalhamos para Deus. Além de uma semente bem germinada é preciso aceitar as podas (correção, estudo, aprofundamento, disciplina e muito joelho dobrado). Se Deus quiser, e eu me empenhar em três medidas, podei me tornar uma árvore e então darei frutos, abrigo e transmitirei a paz.
“(…) E isto eu peço a Deus: que o vosso amor cresça ainda, e cada vez mais, em conhecimento e em toda percepção, para discernirdes o que é melhor. Assim, estareis puros e sem nenhuma culpa para o dia de Cristo, cheios do fruto da justiça que nos vem por Jesus Cristo, para a glória e louvor de Deus”. (Filipenses 1, 9-11)
Um imenso abraço fraterno.





MOTIVAÇÃO NO TRABALHO

A melhoria contínua do autoengano
Por Luiz Marins



Há empresas que mais parecem estar engajadas num processo de melhoria contínua do autoengano. Elaboram orçamentos que sabem que jamais serão cumpridos. Fazem planejamentos estratégicos que não serão seguidos, nem mesmo tentados. Estabelecem metas e objetivos inalcançáveis para marketing, vendas, produção, etc.

 

Na verdade, a impressão que tenho é que as pessoas riem do que elas próprias elaboram, planejam e escrevem. Pensam estar enganando seus chefes, diretores, matrizes ou sei lá quem, mas na verdade estão enganando a  elas mesmas. Fazem o que eu chamo de melhoria contínua do autoengano.



Há profissionais que também são especialistas em autoengano. São os vendedores que imaginam não precisar visitar clientes e que basta lhes enviar tabelas de preços via e-mail. São diretores, gerentes, supervisores que acreditam pode dirigir, gerenciar e supervisionar sem sair de seus gabinetes ou salas. São chefes em geral que não participam do recrutamento e da seleção de seus colaboradores, delegando integralmente a tarefa para o RH.



São profissionais que acreditam poder ter sucesso sem estudar, sem se aperfeiçoar, sem se atualizar. São aqueles que acreditam poder enganar, mentir, ludibriar e ainda vencer no longo prazo. São aqueles que riem dos outros, quando na verdade deveriam chorar por si mesmas. Essas pessoas todas - e outras mais - são as especialistas em melhoria contínua do autoengano.



A verdade é que todos nós estamos muito cansados desse autoengano quemnão nos tem levado nem à motivação, nem ao sucesso.










MOMENTO DE REFLEXÃO

Conta a lenda, que certa vez uma mulher pobre, com uma criança no colo, ao passar diante de uma caverna, escutou uma voz misteriosa que lá de dentro lhe dizia:

- Entre e apanhe tudo o que você desejar, mas não se esqueça do principal.

- Lembre-se, porém, de uma coisa, completou a voz:

- Depois que você sair, a porta se fechará para sempre! Aproveite a oportunidade, mas não se esqueça do principal.

A mulher entrou na caverna, e lá encontrou muitas riquezas. Fascinada pelo ouro e pelas jóias, pôs a criança no chão e começou a juntar, ansiosamente, tudo o que podia em seu avental.

A voz misteriosa, então, falou novamente:

- Você só tem oito minutos.

Esgotados os oito minutos, a mulher, carregada de ouro e pedras preciosas, correu para fora da caverna e a porta se fechou.

Lembrou-se, então, que a criança ficara lá dentro e que a porta estava fechada para sempre!

A riqueza durou pouco.

O desespero durou para toda a vida.

Não se esqueça do principal!