Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Terça-feira 28/03/2017


Terça-feira, 28 de março de 2017


“Ame seus pais, a vida e os amigos, porque os pais são únicos, a vida é curta e os amigos são poucos.”




EVANGELHO DE HOJE
Jo 5,1-16


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

1Houve uma festa dos judeus, e Jesus foi a Jerusalém. 2Existe em Jerusalém, perto da porta das Ovelhas, uma piscina com cinco pórticos, chamada Betesda em hebraico. 3Muitos doentes ficavam ali deitados — cegos, coxos e paralíticos. 4De fato, um anjo descia, de vez em quando, e movimentava a água da piscina, e o primeiro doente que aí entrasse, depois do borbulhar da água, ficava curado de qualquer doença que tivesse. 5Aí se encontrava um homem, que estava doente havia trinta e oito anos.
6Jesus viu o homem deitado e sabendo que estava doente há tanto tempo, disse-lhe: “Queres ficar curado?” 7O doente respondeu: “Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina, quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente”. 8Jesus disse: “Levanta-te, pega tua cama e anda”. 9No mesmo instante, o homem ficou curado, pegou sua cama e começou a andar.
Ora, esse dia era um sábado. 10Por isso, os judeus disseram ao homem que tinha sido curado: “É sábado! Não te é permitido carregar tua cama”. 11Ele respondeu-lhes: “Aquele que me curou disse: ‘Pega tua cama e anda’”. 12Então lhe perguntaram: “Quem é que te disse: ‘Pega tua cama e anda’?” 13O homem que tinha sido curado não sabia quem fora, pois Jesus se tinha afastado da multidão que se encontrava naquele lugar.
14Mais tarde, Jesus encontrou o homem no Templo e lhe disse: “Eis que estás curado. Não voltes a pecar, para que não te aconteça coisa pior”. 15Então o homem saiu e contou aos judeus que tinha sido Jesus quem o havia curado. 16Por isso, os judeus começaram a perseguir Jesus, porque fazia tais coisas em dia de sábado.

www.paulinas.org.br/diafeliz
  


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade


Bom dia!
Será que ainda acreditamos que o problema era ter curado no sábado? Será que o problema era carregar a cama no dia de descanso?
Quem acompanha nossos comentários e partilhas diárias há mais tempo sabe que o foco principal da mensagem esta naquele (a) que esta engajado (a) em algum movimento ou pastoral dentro da igreja, mas de certa forma, pelo evangelho ser sempre novo e atual, acaba acertando em cheio muitas das nossas realidades do dia-a-dia como nas relações de trabalho, familiares, interpessoais.
O paralitico tinha um objetivo – curar-se! Para que seu objetivo se concretizasse precisava estar no lugar certo e na hora certa e deixar acontecer. Consegue perceber a situação: acordar cedo, em virtude das limitações físicas e talvez da distância a ser percorrida, fazer força, carregar seu leito e como não ter na mente a idéia do fracasso ao final de um dia.
O paralítico parece “conformado”; não reclamava dos outros chegarem a sua frente, ele apenas gostaria de chegar a tempo. Quantos talvez disseram: Desista! Você não vai conseguir! Mas na coragem de continuar, Deus se manifesta.
“(…) E Deus, que vê o que está dentro do coração, sabe qual é o pensamento do Espírito. Porque o Espírito pede em favor do povo de Deus e pede de acordo com a vontade de Deus. Pois sabemos que TODAS AS COISAS TRABALHAM JUNTAS PARA O BEM DAQUELES QUE AMAM A DEUS, daqueles a quem ele chamou de acordo com o seu plano. Porque aqueles que já tinham sido escolhidos por Deus ele também separou a fim de se tornarem parecidos com o seu Filho. Ele fez isso para que o Filho fosse o primeiro entre muitos irmãos”. (Romanos 8, 27-29)
Notem que nenhum dos fariseus críticos se moveu de compaixão pelo sofrimento do paralítico. Não podemos ser mais assim! Procuravam também repreendê-lo até mesmo no momento de maior alegria. Quantos de nós que vivendo um grande momento de euforia ou felicidade também recebemos críticas, comentários maldosos ou invejosos? Retorno a pergunta inicial: Será que ainda acreditamos que o problema era ter curado no sábado? Será que o problema era carregar a cama no dia de descanso?
Se você é uma liderança, um coordenador ou simplesmente uma pessoas cheia de entusiasmo e movido por um Espírito Santo que não sossega, irrequieto, empreendedor, (…), continue! Vá em frente, não desanime!
Um amigo padre, narra um fato engraçado da seguinte forma: “Se o padre da atenção aos jovens o chamam de pedófilo; se por ventura dá atenção as senhoras, ele já esta querendo algo; se dá atenção a um rapaz, é homossexual; se essa atenção é para uma moça, é amante secreta” (risos). Não pare de trabalhar! Não tem como! Sempre terá um fariseu te olhando!
Coloque uma coisa na sua cabeça: Se você esta no caminho…
“(…) Se este plano ou este trabalho vem de seres humanos, ele desaparecerá. Mas, se vem de Deus, vocês não poderão destruí-lo, pois neste caso estariam lutando contra Deus…”. (Atos 5, 38-39)
Um imenso abraço fraterno!







COMPORTAMENTO


Aprendendo a dizer não – Uma atitude importante
Li Arruda 


Dizer nãoSeu filho lhe pede um celular novo, mais moderno e bastante caro. Você, mesmo estando apertada financeiramente, vai até a loja e parcela o aparelho em dez vezes. Uma colega de trabalho pede para você ajudá-la no serviço, pois precisa sair mais cedo para resolver alguns problemas. Você, mesmo estando muito atarefada, assume o compromisso e fica sobrecarregada, só para não negar o pedido. Sua amiga mais íntima pergunta se você pode lhe emprestar um dinheiro para ela viajar com o marido. Você constrangida em negar, responde sim sem pensar duas vezes. Um vizinho de apartamento inconveniente pergunta se você se importaria em lhe ceder sua vaga de garagem, já que não possui carro, enquanto ele tem dois. Você, mesmo com planos de alugar a vaga, cede ao vizinho de graça, sem ao menos mencionar a palavra “aluguel”.

Identificou-se com as situações acima? É… Parece que você possui um grande problema: Não sabe como dizer “não”.


Por que algumas pessoas não conseguem negar nada?

A principal razão para alguém sentir dificuldades em dizer “não” é autoestima baixa. Nestas condições, a pessoa sente que precisa agradar os outros a qualquer custo. É como se tivesse um medo inconsciente de que ao dizer não, a pessoa sinta-se ofendida e fique magoada com ela.
Outra razão que está relacionada à autoestima é simplesmente o fato de que dizer “sim” para tudo está culturalmente associado a ser uma pessoa boazinha. Quando negamos algo para alguém que não sabe ouvir um “não”, logo somos taxadas de malvadas. Essa situação contrária gera um sentimento de culpa em quem costuma dizer sim para tudo.

Sentimento de mãe: Mulheres protetoras têm o hábito de achar que os outros (não só os filhos) precisam da sua ajuda sempre, e que são incapazes de resolver seus problemas sozinhos. Além de se sentirem culpadas por negarem algo, elas tendem a sentir muita pena da pessoa, por isso não conseguem dizer não.

Quais as consequências de dizer “sim” quando se quer dizer “não”?

Em primeiro lugar, dizer “sim” quando é preciso dizer “não” é prejudicial tanto para quem diz, como para quem ouve. Se você não pode assumir a responsabilidade de algo (como os exemplos citados no início deste artigo), não tem sentido fazê-lo com sacrifícios, até porque muitas vezes isso implica em prejuízos financeiros, sobrecarga física e emocional.

Já quem está acostumado a ouvir “sim” o tempo todo, também pode sofrer prejuízos. A diferença é que eles não afetam o bolso, e podem ser a longo prazo.

Filhos mimados, colegas e amigos folgados e pessoas aproveitadoras não são bem vistas por ninguém. Quem quer ter uma pessoa assim por perto? Dizer sim para elas é o mesmo que incentivá-las a viverem dessa forma.

Isso não significa que você deve dizer não para tudo e todos. Diga sim quando realmente puder atender ao pedido. É verdade que em alguns momentos precisamos fazer pequenos sacrifícios em favor dos outros, mas até para isso é preciso ter bom senso. Vale a pena se sacrificar sempre? É claro que não.



Como dizer não?
Não seja grosseira: Negar algo a alguém não tem nada a ver com ser grosseiro ou arrogante. Quando precisar dizer não, lembre-se de se colocar no lugar do outro. Explique o porquê do “não”, e saiba como falar de maneira educada e gentil.

Não é preciso platéia: É muito constrangedor quando alguém te nega algo em público, não é? Para o outro também é. Portanto, quando for negar algo, procure fazer isso a sós com a pessoa. Evite chamar a atenção dos outros para a conversa.
Seja clara e objetiva: “Talvez eu possa”, “Vou ver”, “Acho que sim”, “Não sei se posso”… Se você precisa negar algo, seja muito clara! Diga não e pronto. Explique as razões e não deixe dúvidas, nem crie falsas expectativas de que irá atender ao pedido.

Tenha postura: Não precisa ficar constrangida em negar algo. Você tem suas razões e precisa estar convencida disso. Não fique se lamentando, muito menos na frente da pessoa. Isso é desnecessário e pode até atrapalhar a compreensão do outro.

Dizer “não” também é importante nas nossas vidas. Tenha confiança em si mesma e lembre-se de que não precisa se sujeitar à vontade dos outros sempre. O “não” só frustra e magoa pessoas que não estão preparadas para uma negação, mas isso já não é culpa sua.







MOMENTO DE REFLEXÃO


Você conhece a lenda do rito de passagem da juventude dos índios Cherokees?
O pai leva o filho para a floresta durante o final da tarde, venda-lhe os olhos e deixa-o sozinho.
O filho se senta sozinho no topo de uma montanha durante toda a noite e não pode remover a venda até os raios do sol brilharem no dia seguinte.
Ele não pode gritar por socorro para ninguém.
Se ele passar a noite toda lá, será considerado um homem.
Ele não pode contar a experiência aos outros meninos porque cada um deve tornar-se homem do seu próprio modo, enfrentando o medo do desconhecido.
O menino está naturalmente amedrontado.
Ele pode ouvir toda espécie de barulho.
Os animais selvagens podem, naturalmente, estar ao redor dele.
Talvez alguns humanos possam feri-lo.
Os insetos e cobras podem vir picá-lo.
Ele pode estar com frio, fome e sede.
O vento sopra a grama e a terra sacode os tocos, mas ele não remove
a venda .
Segundo os Cherokees, este é o único modo dele se tornar um homem.

Finalmente...
Após a noite horrível, o sol aparece e a venda é removida.
Ele então descobre seu pai sentado na montanha perto dele.
Ele estava a noite inteira protegendo seu filho do perigo.

Nós também nunca estamos sozinhos!
Mesmo quando não percebemos, Deus está olhando para nós,
'sentado ao nosso lado'.
Quando os problemas vêm, tudo que temos a fazer é confiar que ELE está nos protegendo.

Moral da história:
Apenas porque você não vê Deus, não significa que Ele não esteja conosco.
Nós precisamos caminhar pela nossa fé, não com a nossa visão material.



Diário de Segunda-feira 27/03/2017


Segunda-feira, 27 de março de 2017


“É na idade da ambição que se prova a têmpera dos homens.”(José de Alencar)




EVANGELHO DE HOJE
Jo 4,43-54


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Passados os dois dias, Jesus foi para a Galileia. Quando então chegou à Galileia, os galileus o receberam bem, porque tinham visto tudo o que fizera por ocasião da festa. [...] Havia um funcionário do rei, cujo filho se encontrava doente. Quando ouviu dizer que Jesus tinha vindo da Judeia para a Galileia, ele foi ao encontro dele e pediu-lhe [...]para curar o seu filho, que estava à morte. Jesus [...] respondeu: “Podes ir, teu filho vive”. O homem acreditou na palavra de Jesus e partiu. [...] Ele, então, passou a crer, juntamente com toda a sua família. Também este segundo sinal, Jesus o fez depois de voltar da Judeia para a Galileia.

www.paulinas.org.br/diafeliz
  


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade


Bom dia!
Quem nunca foi surpreendido com uma decisão ou resposta que parecia impossível ou improvável? Quem nunca, ao se dar por vencido sobre um assunto, viu algo sobrenatural acontecer e reverter o caso? Quem ao reconhecer um milagre não se põe de imediato a agradecer a Deus e louvá-lo?
Sim! O Impossível visível lembra-nos de agradecer, mas e o simples, diário e corriqueiro? Lembramos? Será que precisamos de milagres ou efeitos extraordinários para acreditar no amor de Deus? Precisamos de confirmação?
Prestemos muita atenção na reflexão proposta pelo site da CNBB
“(…) Jesus declarou que um profeta não é honrado na sua própria terra. Como ele foi criado na cidade de Nazaré, que fica na Galiléia, fazia referência aos galileus, que precisavam de sinais e prodígios para crer e ficavam exigindo que Jesus operasse milagres que testemunhariam que ele de fato era o Filho de Deus. JESUS NOS MOSTRA QUE O PROCESSO É JUSTAMENTE O CONTRÁRIO: NÃO SÃO OS SINAIS QUE DEVEM NOS LEVAR A CRER, MAS É A NOSSA FÉ QUE DEVE PRODUZIR SINAIS DE REINO DE DEUS, SINAIS DE FRATERNIDADE, DE JUSTIÇA, DE AMOR, DE VIDA EM ABUNDÂNCIA. Porque ter fé significa ter a presença amorosa e solidária de Deus em todos os momentos da vida”.
Mas essa “cultura” não parou por ai…
Também no tempo dos atos dos apóstolos o povo cercava os discípulos em busca de curas e milagres, mas não se convertiam. A falta de fé e o medo de serem vistos como seguidores de Cristo fazia com que as pessoas não se engajassem. Falavam bem deles, mas poucos se entregavam a causa cristã.
“(…) Os apóstolos faziam muitos milagres e maravilhas entre o povo, e os seguidores de Jesus se reuniam no Alpendre de Salomão. Ninguém de fora tinha coragem de se juntar ao grupo deles, mas o povo falava muito bem deles”. (Atos 5, 12-13)
Muitas pessoas que participam de momentos de oração, grupos de oração, missas de cura e libertação (diga-se de passagem, toda missa é um momento de cura e libertação) e outros momentos propícios (inclusive uma simples prece), voltam para casa querendo ver aquilo que sentiu, ouviu ou pensou. Como bons “Tomés”: precisamos “ver para crer”. Nossa fé é baseada no que é visível, mas a verdadeira fé não é um ato visível e sim invisível.
“(…) Quem vive procurando nos milagres razões para acreditar (…); Já esqueceu que a fé é um caminho que os olhos não podem ver Que Deus está presente mesmo quando o milagre não acontecer”. (Canção Milagres – Adriana)
Vemos a morte de alguém querido, mas não persebemos a paz que ele (a) se encontrava quando partiu; vemos com tristeza a perca do emprego mas deixamos passar desapercebido a nova oportunidade que se aproxima e bate a porta; reclamamos do vestibular, da prova, do concurso perdido, mas deixamos de ver que talvez não fosse o momento e nem o curso certo para nós ou que não tivemos o empenho que deveríamos ter tido para o êxito; reclamamos do namoro terminado, mas deixamos de ver que talvez precisássemos amadurecer mais para uma nova etapa em nossas vidas.
Hoje talvez Deus esteja passando em sua casa, em sua vida, em sua oração e reanimando a fé na forma de um broto de esperança. Não volte pra casa sem acreditar! Tenha fé
“(…) Que Deus, que nos dá essa esperança, encha vocês de alegria e de paz, por meio da fé que vocês têm nele, a fim de que a esperança de vocês aumente pelo poder do Espírito Santo!”. (Romanos 15, 13-14)
Um imenso abraço fraterno!








MOTIVAÇÃO NO TRABALHO


Ele era bom demais
Prof. Marins



Francisco era um "bom demais", disse-me um seu ex-colega de trabalho. Era realmente a pessoa que mais entendia de nossos produtos. Sabia responder a qualquer pergunta técnica que lhe fosse feita.

Só tinha um problema: ele não dividia seu conhecimento com ninguém. Não ensinava ninguém. Quando dava uma informação, o fazia de forma enigmática para que quem perguntasse ficasse sempre numa posição de "ignorante". Ele tinha até um vício de dar um sorriso de deboche quando alguém lhe perguntasse alguma coisa sobre o que tanto sabia.

Quando decidíamos fazer alguma coisa diferente e inovadora e que havia sido decidido sem que ele "comandasse" a decisão, logo ele vinha com ironia sobre ironia dizendo que aquilo não ia dar certo e querendo dizer, nas entrelinhas de suas críticas, que ele, somente ele, poderia fazer a coisa dar certo, mas... "não queria se intrometer..." na área alheia, etc.

Esse comportamento do Francisco irritava a todos. Ninguém gostava dele na empresa. Várias vezes tentamos conversar com ele para que ele mudasse seu comportamento e fosse mais humilde, participativo, cooperativo. Nada surtia efeito. Várias vezes decidimos dispensá-lo, pois o clima que ele criava era demasiadamente ruim. Sempre vinha a dúvida: ele era um "excelente técnico" e todos nos sentíamos inseguros em dispensá-lo.

Até que um dia ele ultrapassou os próprios limites e respondeu mal a um de nossos principais clientes. Foi dispensado.

Qual não foi a nossa surpresa! Após a saída do "grande" Francisco, a empresa tornou-se leve e descontraída. As demais pessoas buscaram rapidamente o conhecimento que só ele dizia ter. Vimos que havia muitas pessoas na empresa que sabiam tanto ou mais do ele e que eram também bons no que faziam e eram humildes, participativos e cooperativos. O clima mudou. A empresa cresceu. A verdade é que nos livramos de um "corvo" que minava a empresa pouco a pouco, com seu comportamento arrogante e individualista.

Nesta semana, gostaria que você observasse se você também não tem na sua empresa esses "excelentes técnicos"  que pouco contribuem para a empresa como um todo e que vivem para seus próprios egos. Meu conselho é: vá fazendo um planejamento para livrar-se deles. Você verá que sua empresa renascerá sem esses prepotentes "franciscos".

 Pense nisso. Boa Semana. Sucesso!








MOMENTO DE REFLEXÃO



Certa vez, um rapaz estava sentado ao pé de uma árvore, com a cabeça entre as mãos, pensando:
- Quem sou eu?
Já fazia quase um dia que ele estava ali, tentando responder à pergunta, e não conseguia. Estava com a cabeça quente.

Perto havia uma estrada. Ele viu alguém passando, levantou-se, foi lá e perguntou à pessoa: “Por favor, quem sou eu?”
A pessoa explicou. Pronto, o jovem se acalmou.

A criança, primeiro descobre a mãe, como alguém diferente dela. Só depois descobre a si mesma, como um ser diferente dos outros. Nós somos seres sociais, essencialmente sociais. Se uma criança, logo após o nascimento, fosse deixada sozinha, sem se relacionar com ninguém, tornar-se-ia um monstro, não uma pessoa humana.

Está aí mais uma prova de que somos imagens e semelhanças de Deus. Ele não é um ser isolado, mas a relação amorosa de três Pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Também as Irmãs carmelitas que passam o dia em silêncio, e os anacoretas que vivem isolados nas matas, só são felizes a partir da relação com seus irmãos e irmãs.



Diário de Domingo 26/03/2017


Domingo, 26 de março de 2017


“Você nunca sabe que resultados virão da sua ação. Mas se você não fizer nada, não existirão resultados.”( Mahatma Gandhi )




EVANGELHO DE HOJE
Jo 9,1-41


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!


Jesus ia passando, quando viu um cego de nascença. Os seus discípulos lhe perguntaram: “Rabi, quem pecou para que ele nascesse cego, ele ou seus pais?” Jesus respondeu: “Nem ele nem seus pais pecaram, mas é uma ocasião para que se manifestem nele as obras de Deus. É preciso que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia. Vem a noite, quando ninguém poderá trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo”. Dito isso, cuspiu no chão, fez barro com a saliva e aplicou-a nos olhos do cego. Disse-lhe então: “Vai lavar-te na piscina de Siloé” (que quer dizer: Enviado). O cego foi, lavou-se e voltou enxergando. Os vizinhos e os que sempre viam o cego pedindo esmola diziam: “Não é ele que ficava sentado pedindo esmola?” Uns diziam: “Sim, é ele”. Outros afirmavam: “Não é ele, mas alguém parecido com ele”. Ele, porém, dizia: “Sou eu mesmo”. Então lhe perguntaram: “Como é que se abriram os teus olhos?” Ele respondeu: “O homem chamado Jesus fez barro, aplicou nos meus olhos e disse-me: ‘Vai a Siloé e lava-te’. Eu fui, lavei-me e comecei a ver”. [...] Voltaram a interrogar o homem que antes era cego: “E tu, que dizes daquele que te abriu os olhos?” Ele respondeu: “É um profeta”. [...] Os judeus, outra vez, chamaram o que tinha sido cego e disseram-lhe: “Dá glória a Deus. Nós sabemos que esse homem é um pecador”. Ele respondeu: “Se é pecador, não sei. Só sei que eu era cego e agora vejo”. [...] Se esse homem não fosse de Deus, não conseguiria fazer nada”. Eles responderam-lhe: “Tu nasceste todo em pecado e nos queres dar lição?” E o expulsaram. Jesus ficou sabendo que o tinham expulsado. Quando o encontrou, perguntou-lhe: “Tu crês no Filho do Homem?” Ele respondeu: “Quem é, Senhor, para que eu creia nele?” Jesus disse: “Tu o estás vendo; é aquele que está falando contigo”. Ele exclamou: “Eu creio, Senhor!” [...].

www.paulinas.org.br/diafeliz
  


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Jailson Ferreira


Transformando a cura em milagre
O Evangelho desse domingo engloba todo o capítulo 9 de João, que narra a cura do cego de nascença e os acontecimentos que se sucederam à cura. Vários pontos poderiam ser refletidos:

- A crença vigente na época (e que persiste ainda hoje) de que a doença é o castigo pelo pecado da pessoa ou de seus pais (no caso das doenças de nascença);

- Jesus procurava ver TODAS as situações como uma oportunidade para mostrar a graça de Deus;

- O processo de cura e suas particularidades;

- A mudança de vida do cego;

- A cegueira dos fariseus e mestres da lei;

- A divindade de Jesus.

De todos esses pontos, escolhi falar hoje sobre a mudança de vida do cego. Fiquei pensando como seria a vida de um homem que já nasceu cego na época e região em que Jesus viveu. Devia ser um peso para os pais e para a sociedade... Não é dita a idade dele, mas pela resposta que seus pais deram aos fariseus, deduz-se que ele já era adulto. Outra particularidade que podemos deduzir é que ele era mendigo e devia ter uma aparência repugnante, já que não podia se ver no espelho. Para se curar, ele teve que fazer a parte dele: ir à piscina de Siloé e lavar-se. Jesus poderia ter levado o cego, ou pedido para alguém levar, mas não! "Vai, lava-te na piscina de Siloé." O cego teve que acreditar na cura. Se não acreditasse, ou não quisesse ficar curado, só precisava desistir diante desse obstáculo. Mas ele foi! Quando chegou na tal piscina, ele deve ter lavado e esfregado os olhos como nunca fez antes, até limpar o lodo com o qual Jesus ungiu seus olhos, e toda a sujeira que obstruía sua vista. Quando limpou, que conseguiu enxergar pela primeira vez na vida, deve ter olhado para ele mesmo, e visto como ele estava horrível! Já que estava na piscina, deve ter aproveitado para tomar um banho de verdade!
Na volta para a cidade, as pessoas mal reconheceram o ex-cego. Ele estava diferente. Quando foi chamado diante dos fariseus, ele foi seguro nas respostas! Não teve medo de ser expulso, como seus pais tiveram. Ele sabia que havia encontrado alguém por quem valeria a pena enfrentar os fariseus. Mas a cura do ex-cego ainda não estava completa. No final do Evangelho, ele se encontra com Jesus, e é nesse momento que a sua cura se transforma em milagre autêntico: quando ele se prostra e adora a Jesus. Já dizia o querido Padre Léo: "Esta é a marca registrada do milagre autêntico: a vida da pessoa muda e ela se torna seguidora de Jesus."
Você já recebeu alguma graça de Deus? Já foi curado de algum problema de saúde? Conseguiu um bom emprego? Encontrou a pessoa certa pra você? Recebeu a graça de ser pai/mãe? Essa é a primeira parte do milagre. E para o milagre ser completo, você agora já sabe do que precisa: que a sua gratidão seja a força que levará você a nunca mais querer sair do Caminho.

As duas pequenas estórias que você verá logo abaixo são pra mostrar como um gesto de solidariedade pode mudar a vida da pessoa que faz o bem, e da pessoa que recebe o bem.







VÍDEO DA SEMANA


Deixar o passado passar - Pe. Fábio de Melo 



https://www.youtube.com/watch?v=2XkLplZsPfY









MOMENTO DE REFLEXÃO


Havia, certa vez, uma princesa que era linda, a mais bela menina da região. Mas a sua madrasta, enciumada com a sua beleza, desde a mais tenra idade dizia-lhe que ela era feia. A madrasta dizia:
- Você é feia, muito feia! Você é tão feia que ninguém aguenta olhar para você.

Não bastasse isso, a madrasta dava ordens a todos os cortesãos do palácio para que dissessem à menina que ela era muito feia.

A princesa cresceu e tornou-se uma bela moça, mas sentia-se feia. Ela pensava: Sou tão feia que nunca vou encontrar quem goste de mim. Ninguém jamais vai me amar. Ninguém vai querer casar-se comigo.

Sua angústia chegou a tal ponto que ela se escondeu no calabouço do palácio, para que ninguém a visse. E lá permaneceu.

Quando a rainha morreu, algumas pessoas de bom coração foram ver a princesa e contaram-lhe a verdade:
- Você não é feia. A sua madrasta dizia isso porque sentia ciúme de você. Pelo contrário, você é muito linda, é a moça mais bela da região.
Mas a princesa não acreditava, e dizia às pessoas:
- Eu sei que sou feia. Por favor, deixe-me em paz, curtindo a minha feiura.

Um dia, um belo príncipe visitou o palácio e contaram-lhe a história da princesa. Ele desceu ao calabouço e assim que a viu ficou encantado com a sua beleza. Disse-lhe fascinado:
- Você é maravilhosa. É tão bela que não consigo tirar os olhos de você.
A princesa cobriu o rosto com as mãos e chorou. Disse ao príncipe:

- Por favor, pare de zombar de mim. Eu sei como sou feia. Sou a moça mais feia do mundo.
Mas o príncipe não ia embora e continuava olhando para ela. Aproximou-se dela e abraçou-a, sussurrando:
- Você é a mulher mais lindo do mundo.

Ao perceber o amor e o carinho do príncipe, finalmente a princesa levantou os olhos e viu seu próprio rosto refletido nos olhos do príncipe. Vendo a própria imagem pela primeira vez, sentiu-se confusa, porque achou bonito o próprio rosto. Aos poucos, foi-se dando conta de que era realmente bonita. E ria do tempo em que ficava escondida no calabouço.

As pessoas funcionam como espelhos psicológicos umas para as outras. Quando são bem tratadas, constroem uma auto imagem positiva. Quando são mal acolhidas, rejeitadas e recebem críticas destrutivas, elas constroem uma auto imagem negativa.

(Fonte: Peter Ribes, sj)



Diário de Sábado 25/03/2017


Sábado, 25 de março de 2017


“Quando duas pessoas se amam, elas não se submetem e não se dominam, apenas se completam.”



EVANGELHO DE HOJE
Lc 1,26-38

 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!

5Nos dias de Herodes, rei da Judeia, vivia um sacerdote chamado Zacarias, do grupo de Abia. Sua esposa era descendente de Aarão e chamava-se Isabel. 6Ambos eram justos diante de Deus e obedeciam fielmente a todos os mandamentos e ordens do Senhor. 7Não tinham filhos, porque Isabel era estéril, e os dois já eram de idade avançada.
8Em certa ocasião, Zacarias estava exercendo as funções sacerdotais no Templo, pois era a vez do seu grupo. 9Conforme o costume dos sacerdotes, ele foi sorteado para entrar no Santuário, e fazer a oferta do incenso. 10Toda a assembleia do povo estava do lado de fora rezando, enquanto o incenso estava sendo oferecido.
11Então apareceu-lhe o anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. 12Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado e o temor apoderou-se dele. 13Mas o anjo disse: “Não tenhas medo, Zacarias, porque Deus ouviu tua súplica. Tua esposa, Isabel, vai ter um filho, e tu lhe darás o nome de João. 14Tu ficarás alegre e feliz, e muita gente se alegrará com o nascimento do menino, 15porque ele vai ser grande diante do Senhor. Não beberá vinho nem bebida fermentada e, desde o ventre materno, ficará repleto do Espírito Santo. 16Ele reconduzirá muitos do povo de Israel ao Senhor seu Deus. 17E há de caminhar à frente deles, com o espírito e o poder de Elias, a fim de converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à sabedoria dos justos, preparando para o Senhor um povo bem disposto”.
18Então Zacarias perguntou ao anjo: “Como terei certeza disto? Sou velho e minha mulher é de idade avançada”. 19O anjo respondeu-lhe: “Eu sou Gabriel. Estou sempre na presença de Deus, e fui enviado para dar-te esta boa notícia. 20Eis que ficarás mudo e não poderás falar, até o dia em que essas coisas acontecerem, porque não acreditaste nas minhas palavras, que se hão de cumprir no tempo certo”.
21O povo estava esperando Zacarias, e admirava-se com a demora no Santuário. 22Quando saiu, não podia falar-lhes. E compreenderam que ele tinha tido uma visão no Santuário. Zacarias falava por sinais e continuava mudo.
23Depois que terminou seus dias de serviço no Santuário, Zacarias voltou para casa. 24Algum tempo depois, sua esposa Isabel ficou grávida, e escondeu-se durante cinco meses. 25Ela dizia: “Eis o que o Senhor fez por mim, nos dias em que ele se dignou tirar-me da humilhação pública!”

  


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade


Bom dia!
Antigamente, anterior ao concilio vaticano II, ela era venerada como Nossa Senhora da Vitória, em virtude de ter sido creditado a ela os méritos de uma grande vitória em uma batalha, que acontecia SIMULTANEAMENTE em que os fieis faziam a procissão do rosário. A ela ainda é atribuída a concepção de vitória sobre os problemas, pois vê-se nela a mulher destemida que aceita sem medo encarar das situações adversas.
De que temos medo? Que batalhas precisam ser vencidas?
Fisiologicamente nosso corpo responde aos medos com uma descarga de adrenalina na corrente sanguínea. Ela ( a adrenalina) gera em nós respostas físicas como o “suor frio”, a dilatação das pupilas e principalmente a resposta de fuga. Essa resposta é diferente em cada um de nós. Em alguns, a adrenalina gera a idéia convicta de correr ou fugir do agressor a outros a resposta é a posição estática, ou seja, nada consegue fazer.
Um exemplo: Ao vermos nosso filho quase caindo do berço, da cama ou do sofá, alguns ainda conseguem ter a reação de correr e alcançar antes que o fato que se consuma, porém outros não conseguem nada fazer a não ser gritar e por as mãos a cabeça…
Esse exemplo é muito comum em casa, mas existem outros exemplos que poderiam se simplificar num questionamento: Como eu respondo aos medos e as tempestades? CORRO OU ENFRENTO?
Problemas não devem ser encarados como uma disputa de carros num racha – onde o que chegar à frente ganha –  NÃO É BEM ASSIM. Quando encaro medos e problemas como racha não observo as pessoas, tão pouco ligo para elas, pois quero sair vencedor. Essa é a forma mais comum de vermos as pessoas responder: resolvo meu problema e bananas para os outros.
Antes de encarar o medo (ou problema) devo mudar a forma como respondo a ele. A resposta ao meu problema não pode ferir quem esta ao meu redor, mas também não pode limitar na vontade do outro. Como assim? A mulher que apanha em casa covardemente não pode ficar com “dó” de denunciar seu agressor. Por mais que queira bem ao seu amado, cessando as alternativas de dialogo, querer bem é preservar-se da agressão. A fisiologia humana parece conspirar contra nossa vontade de se defrontar com o agressor, que denota que precisamos treinar mais para termos a melhor resposta ao estimulo.
Treinar mais não é viver agora a procurar encrenca, ok?
Alguém fala, retruco! Brigam comigo, imediatamente respondo! Isso não é treino, é intempestividade.
Maria, hoje, é relembrada pela forma que respondeu aos seus medos. Ela bem sabia que ter um filho sem um marido poderia lhe ocorrer. Engraçado, ela nem correu e tão pouco ficou estática como a pessoa que levou um grande susto, Maria respondeu e melhor que isso, deu a melhor resposta. “(…) Eu sou uma serva de Deus; que aconteça comigo o que o senhor acabou de me dizer! “.
Realmente, Maria deu a melhor resposta, pois treinava muito o “sim” a Deus, sendo assim, não teve medo. Maria era como o jovem que estuda e enfrenta o vestibular com naturalidade; ou como um cirurgião diante às dificuldades e complicações de uma cirurgia delicada; ou como uma mãe ou pai que pula na frente de um carro pra salvar a vida do filho (…); ela responde como muitos de nós responderíamos ao vermos algo que queremos muito. Ela sonhava com o reino de Deus e tinha um propósito em toda sua criação
“(…).Eis as ordenações, as leis e os preceitos que o Senhor, vosso Deus, me ordenou ensinar-vos, a fim de que os pratiqueis na terra aonde ides entrar para tomar posse dela Assim, temerás o Senhor, teu Deus, observando todos os dias de tua vida, tu, teu filho e o filho de teu filho, todas as leis e os mandamentos que te prescrevo, e teus dias serão prolongados. Tu os ouvirás, pois, ó Israel, e cuidarás de cumpri-los, para que sejas feliz e te multipliques copiosamente na terra que mana leite e mel, como te prometeu o Senhor, o Deus de teus pais. Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças”. (Deuteronômio, 6, 1-5)
Ela amava a Deus de toda sua alma.
O que quero e tenho hoje vale à pena a luta? De um passo na fé hoje e de a melhor resposta! “(…) Não tenha medo! Deus está contente com você.
Que Nossa Senhora nos ajude a conquistar a vitória!
Um imenso abraço fraterno.






CASA, LAR E FAMÍLIA


12 truques caseiros com a pasta de dentes - nunca imaginamos que ela servia para isso!
  

O que a pasta de dentes tem a ver com o Cura pela Natureza?Nada e até já publicamos alternativas caseiras para substituir esse produto.
O que a pasta de dentes tem a ver com o Cura pela Natureza?
Nada e até já publicamos alternativas caseiras para substituir esse produto.
No entanto, mostrar que a pasta de dentes serve para outras utilidades, além de seu principal uso, é uma curiosidade legal e, por isso, resolvemos abrir uma exceção.
Parece que nem todas as coisas são para fazer o que motivou a sua criação.
E, num determinado momento, a gente vai descobrir que elas têm outras utilidades.
Este parece ser o caso das pastas de dentes.
Ah, não estamos ganhando verba da indústria de pastas para divulgar isso, viu?
Nosso intuito é só dividir com os leitores uma informação interessante.
São 12 uso da pasta de dentes muito pouco conhecidos que vamos mostrar agora.
Faça o mesmo que nós.
Divulgue e compartilhe com sua família e amigos!

1. Manchas em tapetes e estofados
Coloque pasta de dentes em uma escova de cerdas e passe na mancha no tapete várias vezes.

2. Manchas de tinta
Espalhe um pouco de pasta sobre a mancha e, logo depois, removê-lo com uma esponja macia.
A pasta remove a mancha como remove a dos dentes e serve para manchas em tecidos ou paredes.

3. Para polir ou limpar acessórios cromados da cozinha ou banheiro
Aplique um pouco do dentrifício sobre o acessório.
Aguarde alguns minutos e, em seguida, retire com um pano úmido.

4. Para limpar CD e DVD arranhados
Ponha um pouco de pasta nos discos e, em seguida, limpe com algodão.

5. Para limpar as unhas
Ponha sobre as unhas pasta de dentes, deixe descansar por alguns minutos e, depois, retire.

6. Para remover espinhas no rosto
Aplique um pouco de creme dental sobre a espinha e deixe por alguns minutos.
A pasta vai desinflamar e aliviar o seu rosto.

7. Como um desodorante para as mãos
Se suas mãos estão cheirando a cebola, alho ou qualquer odor desagradável, você pode aplicar pasta de dentes nas mãos e nos dedos, esfregar e enxáguar.

8. Para picadas de insetos
Aplique pasta de dentes na picada para diminuir a irritação.

9. Para limpar placa de metal
Aplique um pouco de massa na placa de metal e remova-o com um pano.

10. Para limpar mamadeiras
Limpar a mamadeira com creme dental e uma escova vai eliminar sujeira e desodorizar.
Mas é importante enxaguar muito bem, para que não fique nenhum resíduo de pasta.

11. Para tirar manchas em pisos de madeira fina ou linóleo
Adicionar um pouco de pasta em um pano macio e esfregue o chão até que a mancha desapareça.

12. Para limpar o boxe de banho
Aplique pasta de dentes no boxe do banheiro e esfregue com uma esponja para remover sujeira e manchas.



 



MOMENTO DE REFLEXÃO


Num quarto modesto, um triste doente em grave situação pedia silêncio.
Mas a velha porta rangia nas dobradiças cada vez que alguém a abria ou fechava.
O momento solicitava quietude, mas não era oportuno para a reparação adequada.
Com a passagem do médico, a porta rangia nas idas e vindas do enfermeiro, no trânsito dos familiares e amigos, eis a porta a chiar, estridente.
Aquela circunstância trazia ao enfermo e a todos que lhe prestavam assistência e carinho, verdadeira guerra de nervos.
Contudo, depois de várias horas de incomodo, chegou um vizinho e colocou algumas gotas de óleo lubrificante na antiga engrenagem e a porta silenciou tranquila e obediente.
Amigos(as) é uma lição para nossa vida, não é verdade?
Quantos barulhos nos relacionamentos, quantos problemas em nossos lares, tumultos, entretanto na maioria dos casos nós podemos apresentar a cooperação definitiva para a extinção das discórdias.
Basta que lembremos o recurso infalível de algumas gotas de compreensão e a situação muda.
•Gotas de perdão acabam de imediato com o chiado das discussões mais calorosas.
•Gotas de paciência, no momento oportuno, podem evitar grandes dissabores.
•Poucas gotas de carinho penetram as barreiras mais sólidas e produzem efeitos duradouros e salutares.
•Algumas gotas de solidariedade e fraternidade podem conter uma guerra de muitos anos.
•É com algumas gotas de amor que as mães dedicadas abrem as portas mais emperradas dos corações confiados à sua guarda.
•São as gotas de puro afeto que penetram e dulcificam as almas ressecadas pela tristeza.
Tristeza pelas relações de amizade, muitas vezes no trabalho ou muitas vezes sem explicação, mas lembre-se que você poderá silenciar qualquer discórdia lançando mão do óleo lubrificante do amor, basta agir com sabedoria  e bom senso.
Às vezes, são necessárias apenas algumas gotas de silêncio para conter o ruído desagradável de uma discussão infeliz.
E se você é daqueles que pensa que os pequenos gestos nada significam, lembre-se de que as grandes montanhas  são constituídas de pequenos grãos de areia.
Pense nisso!